Quarta-feira, 26 de Maio de 2010
por Arrastão
Texto de Carlos Correia (cafc)



Esta frase de Shakespeare, serve-me de mote a um tema, mais ou menos, tabú.
Se entendido em toda a sua extensão, é inevitável chegarmos à questão "fracturante", ou seja, a Eutanásia.
Pessoalmente e na generalidade, encaro a morte, segundo alguém já disse, como "mais um dia da minha vida".

Quantas vezes acordei e exclamei, "Bolas, agora que estava a dormir tão bem..."(manifestação primária de desagrado pelo estado dito consciente?).
De outras, poucas felizmente, acordei sobressaltado e a seguir, fiquei contente. Tinha sido, apenas, um pesadelo (manifestação de quê?).
Em qualquer dos casos, não estava "vivo", com todos os sentidos alerta. Estava na tal antecâmara. Acordo, logo vivo. Não acordo...(A Lili não diria melhor).
Bem pior, no entanto, é o pesadelo real em que tantos são obrigados a viver, até já não conseguirem ter um sono, quanto mais sonhos. Por isso, muitas vezes "desistem". Conforme as situações, uns recorrem ao suicídio, outros pedem a eutanásia.

Aqui fica a minha pista para um debate com muita polémica e, preferencialmente, "desanuviado". Também é possível brincar com a morte. Aproveitemos agora, enquanto estamos vivos, porque, depois...

por Arrastão
link do post | comentar | partilhar

52 comentários:
Rui F
"...um som da bigorna como um clarim do céu, vão dizendo em toda a parte o pintor morreu..."

Ou quando existe, a morte pode ser cobarde e traiçoeira.


Grande abraço Carlos Correia, o "cafc"

deixado a 26/5/10 às 12:13
link | responder a comentário

Um amigo meu que já não faz parte deste mundo, tinha um acordo comigo.O de lhe telefonar de 2 em 2 horas.Se ele atendesse é ke estava vivo, se não é ke ja batera as botas.Durou este nosso acordo um rôr de anos , a mim custou-me balúrdios em horas de sono e em facturas de PT; por outro lado defendeu-me da mofina e fez-me rir muitas vezes.
A esse meu amigo trouxe-lhe é caro umas quantas horitas de um soninho descansado ;)
Nesta coisa das mortes , o que é preciso é a gente defender-se bem ;)

deixado a 26/5/10 às 12:24
link | responder a comentário

Jo
Podemos brincar com a morte, é verdade. Mas com a morte em sentido abstrato, pois claro.

A eutanásia não é uma questão fracturante, não senhor. E se alguns a consideram como tal então já desistiram de perceber que as vidas dos outros são o que são e nada há a fazer.

Se alguém que vive num estado vegetativo ou num eztado terminal de doença entende que quer pôr fim a essa sua condição, então deve poder fazê-lo. Em segurança e com compaixão.

Se isto ainda não é aplicado em Portugal é apenas mais um sinal de que a nossa sociedade é retrógrada.

deixado a 26/5/10 às 12:27
link | responder a comentário

Dazulpintado
“Pessoalmente e na generalidade, encaro a morte, segundo alguém já disse, como “mais um dia da minha vida”.
E o dia do enterro, como o encara?

“Conforme as situações, uns recorrem ao suicídio, outros pedem a eutanásia."
A esmagadora maioria nem uma coisa nem outra.

“Também é possível brincar com a morte”
Sim, com a morte dos outros. Tal como com a vida, é muito mais fácil.

deixado a 26/5/10 às 12:27
link | responder a comentário

Alex
Nunca ninguém está plenamente satisfeito! Ou porque dorme pouco ou porque dorme muito!

Quando uma equipa de médicos é unânime e chega à conclusão que não há nada a fazer relativamente ao quadro clínico que têm perante si, o paciente deverá – se estiver nas suas perfeitas capacidades mentais – poder tomar a decisão se quer ou não continuar a viver em constante sofrimento físico e emocional.

deixado a 26/5/10 às 12:28
link | responder a comentário

joao pedro
Pondo sempre a baixesa acima de tudo, o Arrastão decide dar espaço a uma indigência abaixo de tudo. Chega a ser confragedor ler esta prosa "polémica" (ui!), ao pé da qual o português sem estilo de Daniel Oliveira ganha camilianos recortes. E se, para celebrar o 5 aniversário, escolhessem alguém que melhorasse um pouco o ar da coisa?

deixado a 26/5/10 às 12:33
link | responder a comentário

Caro amigo, trouxe-nos um tema que dará, assim o queiramos, pano para mangas.

Só pode falar da morte quem ainda é vivo, conclusão obtusa e óbvia mas não menos verdadeira. Porque é então, como muito bem diz, um tabu?

O homem receia a morte pelo definitivo que encerra, daí que tenha necessidade de acreditar na vida para além da dita, como que criando um universo paralelo onde a morte, uma vez cobrada, nunca mais se repetirá. É um conforto cuja possibilidade o mais empedernido ateu alvitra quando é chegada a hora. É por esse receio ancestral do fim de tudo, que se diz que ninguém quer chegar a velho nem morrer novo.

Depois há o reverso, aqueles que, contra o mundo e os conceitos socialmente aceites, se propõem antecipar a morte. Outro assunto fracturante. Neste campo e esperando a discussão, que esperamos “desanuviada”, deixo apenas isto:


“pior do que morrer na morte,
é a dor de sofrer
a morte em vida.”

deixado a 26/5/10 às 12:37
link | responder a comentário

Lisboeta
«Por isso, muitas vezes “desistem”. Conforme as situações, uns recorrem ao suicídio, outros pedem a eutanásia.»

Desistem = Acobardam-se ?! Nunca percebi porque é que tanta gente considera o suicídio um acto de cobardia...

deixado a 26/5/10 às 12:48
link | responder a comentário

Setinha Amarela
O debate implica repensar em como encaramos a morte, e a continuação como encaramos a vida! “Mais um dia na minha vida”.
Só quando sabemos como queremos viver, também sabemos como queremos morrer. E sou da opinião que temos direito a decidir como queremos que esta se produza, quando chegue o momento.
Tenho presenciado a morte física de algumas pessoas, e asseguro-lhe que o que mais me arrepia e a assepsia, desumanização do processo da morte na actualidade.

deixado a 26/5/10 às 12:56
link | responder a comentário

Reaccionário
Desculpe, mas quem vive num estado vegetativo dificilmente terá vontade em pôr termo à situação. Simplesmente não tem vontade nem deixa de ter.

deixado a 26/5/10 às 12:57
link | responder a comentário

Comentar post

pesquisa
 
TV Arrastão
Inquérito
Outras leituras
Outras leituras
Subscrever


RSSPosts via RSS Sapo

RSSPosts via feedburner (temp/ indisponível)

RSSComentários

arquivos
2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


Contador