Sábado, 28 de Fevereiro de 2009
por Pedro Vieira


© rabiscos vieira


por Pedro Vieira
link do post | comentar | ver comentários (21) | partilhar

por Daniel Oliveira
Ontem, Sócrates colocou o caso Freeport na balança do combate eleitoral. Que nem mais uma vez se queixe. Foi a sua escolha. O tema é agora, por sua opção, fundamental no debate político. Cada falha, cada erro, cada imprecisão, cada informação menos rigorosa que tenha dado. Pode achar que assim foge do debate sobre a crise. Não foge, porque ela se impõe com uma terrivel naturalidade na vida das pessoas. Tenho defendido que no caso Freeport, seria bom que Sócrates desse os esclarecimentos políticos necessários, com naturalidade e serenidade. Mas, depois destas palavras, espero que se levante o mais rapidamente possível o segredo de justiça e que tudo seja revirado até ao mais infimo pormenor: do tio e do filho do tio às reuniões onde Sócrates esteve e não esteve. É isto que a estratégia de permanente vitimização pretende? De certeza? Que Sócrates não volte a dizer que não quer um julgamento na praça pública. Acabou de o pedir. Se serve para animar as suas hostes, também pode servir, com igual legitimidade, para campanha eleitoral. Definitivamente, Sócrates tem o debate político que merece.

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (29) | partilhar

por Daniel Oliveira
Manuela Ferreira Leite acha escandaloso que Sócrates não esteja numa cimeira europeia informal, "onde, nenhum primeiro-ministro, mesmo com 40 graus de febre, pode deixar de estar" para, em troca, estar na "festa de encerramento" do congresso. Primeiro: a presença de Sócrates numa cimeira preparatória e informal (foi substituido por Teixeirado dos Santos) é irrelevante. Segundo: os congressos dos partidos fazem parte da vida democrática de um país (coisa que Ferreira Leite desconhece, porque tem um absoluto desprezo pelos militantes do seu, apesar de terem sidos os únicos que até agora a elegeram para alguma coisa) e valem mais do que uma febre. Terceiro: o que é perturbante é perceber que no meio de tanto escândalo e desta crise, sejam estes os episódios que mobilizam a líder do PSD.

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (13) | partilhar

por Daniel Oliveira


Foto Paulete Matos



O Bloco de Esquerda faz hoje dez anos. Muita gente fará o balanço político. Aqui, farei um balanço quase exclusivamente pessoal, porque o meu envolvimento neste aniversário é demasiado profundo para análises distanciadas. É da minha vida política que vou falar. O texto é demasiado grande. Podem parar de ler aqui. Depois não digam que não avisei.

Até chegar ao Bloco fiz um longo percurso político, que começou numa idade estupidamente precoce. A precocidade resulta do tempo da minha infância e do meu contexto familiar. No PREC tinha cinco e seis anos. Era de política, e não de futebol ou de novelas, que se falava nas ruas, nas escolas, nos empregos e nos cafés. E em minha casa muito mais do que em quase todo o lado. A minha mãe era sindicalista (uma das primeiras mulheres a presidir a um sindicato em Portugal), o meu padrasto, responsável por uma parte razoável da minha formação cultural e política, era deputado à Assembleia Constituinte. Na minha família alargada havia 16 militantes do PCP (sobram três). E eu, mínimo, tinha um interesse anormal (e clubístico, claro) pela política. Cresci, ainda assim, num ambiente onde o debate e a divergência eram normais. Um ambiente típico dos meios intelectuais comunistas.

Entrei para a juventude comunista numa idade indecente: 12 anos. Não me fez mal nenhum. Criou-me, desde novo, alguns hábitos de disciplina e de socialização com pessoas de meios diferentes do meu. E não perdi nada por isso. Interessava-me por política tanto ou mais que os meus irmãos mais velhos. Mas a minha militância precoce foi marcada por alguns condicionalismos “externos”. Antes de mais, estava num liceu em que a direita era avassaladoramente dominante (na altura havia muita política na escolas): o Pedro Nunes. Trabalhava com os militantes da juventude socialista. Nem havia outro remédio. Juntos, éramos menos do que os simpatizantes do CDS. E como sempre estive, na “jota”, dedicado à “frente unitária”, isso marcou a forma como, mais tarde, olharia para a actividade política. Nunca tive funções de aparelho e a minha ligação ao mundo da vida interna era distante. Era, por isso, alérgico ao sectarismo. E vivíamos no período de perda de influência do Partido Comunista, o que acentuava ainda mais essa abertura em relação aos outros.

Ainda um miúdo, com 14 anos, fiz o curso da Escola de Quadros do PCP. Era, para mim, uma espécie de ritual de passagem que, na altura (penso que mais tarde deixou de ser assim, não sei), tinha alguma importância. E foi aí, bastante cedo, que a coisa se tornou mais difícil. Levei para a escola do Lumiar algumas das dúvidas que me atormentavam. Na Polónia, a classe operária estava do lado contrário da barricada. No Afeganistão, a URSS portava-se como um qualquer estado imperial. Claro que já tinha havido a Hungria e a Checoslováquia, mas isso para mim eram histórias do passado. Aquilo acontecia naquela altura. Pouco mais do que uma criança (politicamente precoce, mas muito infantil em tudo o resto), estava convencido que os camaradas mais velhos me iam dar respostas satisfatórias. Claro que não deram. Nem podiam. E nunca mais me esqueço, passados tantos anos, da aula em que tudo desabou para mim, pobre adolescente militante: quando Vítor Dias, que dava a aula de política internacional (ao que parece a aula não era de política nacional - ver nota final), apenas me conseguiu explicar que eu estava baralhado. Começou, por assim dizer, bem cedo a minha "crise de fé".

Depois voltei para a minha vida normal. Não me passava pela cabeça sair do Partido. Seria uma traição. Não ao Partido. A mim. Afinal de contas, eu era, num liceu de betos, o “comuna”. Ali, eu era uma espécie do último dos moicanos, uma ave rara. Numa altura em que a diferença custa (a adolescência), já me tinha conseguido habituar a ela. Continuei a concorrer à Associação de Estudantes e a perder (mais uma vez, na altura a política existia nos liceus) e a criar com os “xuxas” movimentos na escola. Cheguei a ser delegado ao II Congresso da JCP. Aí tentei que fossem discutidos dois assuntos tabú que eram importantes para putos da minha idade: legalização das drogas leves e fim Serviço Militar Obrigatório. Sobre o primeiro, que na altura nem era um debate na sociedade portuguesa, tinha uma posição clara, sobre o segundo nem por isso (acabei, anos mais tarde, por fazer a tropa). Mas queria que se discutisse. Não passaram da mesa do congresso e os delegados nem souberam que tal proposta fora feita.

Depois desse congresso comecei a querer discutir mais as posições do partido (até porque estava na direcção do Ensino Secundário de Lisboa) e o seu funcionamento interno. Não que fosse perseguido. Longe disso. Nem havia como: era um puto que vivia em casa dos pais e sem qualquer tipo de dependência. Mas o debate chocava sempre com uma enorme dificuldade: a falta de vontade de debater. Tudo acabava num rótulo qualquer: social-democrata era (ainda é) o mais comum. Diletante e pequeno-burguês era outro. Reformista era o último e final. A esquerda não perdeu, aliás, este hábito rotulador. E, no entanto, naquela altura, enganavam-se os meus camaradas: eu não podia ser mais marxista-leninista. Mas os desenvolvimentos na Polónia e uma viagem que fiz à Checoslováquia tinham-me tornado, é verdade, cada vez menos pró-soviético. Gostava de Carrillo, de Berlinguer e de Tito. Lia, sem perceber bem, umas coisinhas soltas sobre Gramsci e Rosa Luxemburgo. Andava à procura das respostas e as dúvidas eram cada vez maiores. Se o activismo na tal “frente unitária” num liceu quase sem comunistas acabava por me permitir fazer política à minha maneira, ele, por outro lado, obrigava-me a confrontar-me com opiniões muito diferentes das minhas. Foi o meu gosto pela discussão, que ainda hoje tenho, que me fez afastar do PCP. A maioria dos meus amigos era de esquerda, mas não era, longe disso, comunista. Quando percebi que já não acreditava numa palavra do que defendia (ainda bem que me esforcei em defendê-lo, para chegar a perceber que não acreditava) percebi que não fazia sentido continuar no PCP. E quando saí do Liceu e comecei a trabalhar já não fazia mesmo qualquer sentido.

Quando, em Novembro de 1989, nas vésperas da queda do Muro, aconteceu o III Congresso da JCP e eu nem consegui que me convocassem para as reuniões preparatórias, entreguei o cartão. Foi recebido sem espanto e até alívio pela minha "controleira" de então (acho que também já não é militante). Mantive amigos e a minha família, que então se continuava intacta no Partido, achou normalíssima a minha saída. Foi, por assim dizer, um divórcio amigável. Olhando para trás, não me arrependo nada de ter sido militante do PCP (ou da JCP, para ser mais preciso). Fui-o por boas razões assim como as são a da maior parte dos comunistas que conheço e com os quais discordo. Há coisas na cultura do PCP muito saudáveis, outras absolutamente insuportáveis. O pior (ou o melhor) é que umas e outras estão intimamente ligadas. Do tempo em que fui militante, se a memória não me falha, só me arrependo de uma coisa: de ter deixado de apoiar Maria de Lurdes Pintasilgo por indicação do partido. Na altura fiz o cálculo das guerras que devia e não devia travar. Os cálculos fazem-se e devem fazer-se. Mas deveria saber que eles têm de ter como fronteira a nossa consciência. De resto, tudo o que fiz, fiz com generosidade. Como sei que a maioria dos militantes comunistas é por essa razão que perdem os seus dias em trabalho político. Não me impede de achar que estão errados. Mas sei que a maioria se move por convicções. Só gostava que tantos aprendessem a acreditar que não falta, fora do seu Partido, gente que, discordando deles, por vezes profundamente, se move pelo mesmo instinto.

Curiosamente, foi depois de sair do PCP (quando a maior parte das pessoas começa a pensar em política), que pude finalmente votar. Acompanhei com esperança e imensas ilusões a Perestroika de Gorbachev. Mas quando o PCP apoiou o golpe dos ortodoxos aconteceu o afastamento emocional (que no caso do PCP nunca é fácil) definitivo. Fiz o caminho de muitos ex-PC’s: INES e Plataforma de Esquerda. Fiz parte da direcção desta última, num contacto com o que de mais enfadonho e desinteressante há na política. Quando saí da Plataforma – e fi-lo rapidamente –, convencido que a minha participação naquilo fora um equívoco, fiquei a perceber mais algumas coisas sobre os partidos. Ver que para o PS rumaram os que tinham, no PCP, feito parte do aparelho partidário ou sindical (Pina Moura, Osvaldo Castro, José Luís Judas) e que de fora ficaram os que tinham vida profissional fora da política e podiam afastar-se dela sem dificuldade (Miguel Portas, António Hespanha, Paulo Varela Gomes, Rogério Moreira) foi esclarecedor sobre os riscos da dependência ou do vício da política. Uma lição que me acompanhou o resto da vida. Não que todos tenham ido para o PS por não conseguirem ficar na sombra da independência. Nunca deixei de admirar a honestidade política de homens como Barros Moura ou Raimundo Narciso, mesmo discordando das suas opções.

Mantive militância cívica e votei muitas vezes, sem qualquer convicção, no PCP. Só me voltei a empenhar em três campanhas. A do PSR, em 1991, que apoiei como independente, a da primeira candidatura de Sampiao à presidência (não participei nas únicas eleições em que a Política XXI concorreu, porque vivia no estrangeiro) e a primeira campanha do referendo do aborto, na qual me empenhei especialmente. E é nesta que começa a nossa história. Ela foi uma experiência traumática e muito importante para a esquerda. No dia do referendo, decidi que não fazia mais política (decisão que, como se pode ver, não durou muito). Ela trouxe ao de cima todos os fantasmas e fazia perceber que alguma coisa tinha de mudar.

A dificuldade que o PCP tinha em trabalhar num plano realmente unitário (não com "compagnons de route" ou os aliados de sempre) ficou mais uma vez muito evidente. O conservadorismo que dominava (e continua a dominar) a base do Partido Socialista e a dificuldade que este partido tem em se comprometer realmente com alguma coisa também. E, por fim, a falta que fazia um novo partido que conseguisse furar este bloqueio da esquerda e juntar a luta pela igualdade com a defesa da liberdade individual. O sinal tinha sido dado com o resultado do PSR em 91. Mas era cedo na altura e o PSR ainda não era o protagonista para o que era preciso fazer. Os ex-PC’s que, como eu, não desaguaram no PS juntaram-se na Política XXI. Havia por lá excelentes quadros políticos e técnicos, mas faltava a base militante e outras experiências. E a UDP, que tentara a abertura com a candidatura de Carlos Marques à Presidência, ainda não tinha completado a sua travessia do deserto. UDP com PSR e PSR com Política XXI já tinham experimentado coligações pontuais, mas sem sucesso.

O Bloco começou a nascer com a queda do Muro, mas só dez anos mais tarde, durante a campanha de 1998, ficou evidente que as coisas tinham mesmo de mudar.

Participei activamente no processo de fundação. Sobre ela, vale a pena ver o documentário completo sobre os 10 anos do BE que já está à venda e que tanto deu que falar.

Inicialmente, houve desconfiança. Seria a UDP apenas um pequeno PCP? Seriam os ex-PC’s uns diletantes em trânsito para o PS? Seria o PSR um grupo geracional dedicado a algumas causas importantes mas incapaz de lidar com maiores responsabilidades? Não duraram muito as dúvidas. E para dissipar as desconfianças foram fundamentais três coisas: os bons resultados nas primeiras legislativas (que superaram as melhores previsões que fazíamos internamente e fizeram perceber a responsabilidade que tínhamos nos braços); a entrada de muitas pessoas que não vinham de nenhum dos partidos e que acabaram por fazer a síntese do que deveria ser aquele partido; e um grupo dirigente de uma qualidade invulgar (e que estabeleceu uma fortíssima relação de confiança mútua), onde Francisco Louçã, Miguel Portas, Luís Fazenda (a pessoa que primeiro pensou que estava chegada a altura de uma coisa como o Bloco nascer) e Fernando Rosas tiveram um papel central. As diferenças políticas entre os partidos fundadores e de personalidade entre os principais dirigentes acabaram por ser complementares, em vez de antagónicas. O medo de falhar mais uma vez impediu que se fizessem muitos disparates. A necessidade de acção política resolveu, por termos de agir no concreto, muitas divergências.

E, por fim, foi feita uma coisa inteligente: em vez de nos sentarmos a discutir o nosso corpo ideológico, fizemos um diagnóstico comum e fomos chegando a acordo (ou ao consenso possível) na resposta a cada problema concreto. O Bloco foi construindo a sua identidade em vez de decidi-la à partida. Se fizesse ao contrário, cada palavra, por mais irrelevante que fosse, traria consigo toda a sua história, cada discordância seria uma linha de trincheira, e o Bloco nem teria chegado a nascer. E os que chegassem de novo encontrariam um partido já feito, que em vez de atrair, afastaria. Acordos que seriam impensáveis foram possíveis. Gente com percursos muito diferentes entrou. Demorou tudo mais tempo, mas a consolidação fez-se de forma segura. A isto juntámos uma coisa que para mim era fundamental e que me deu oportunidade de viver com uma nova experiência política: uma democracia interna sem paralelo na vida partidária portuguesa (e digo-o medindo as palavras), aceitando-se as divergências como uma coisa não apenas natural, mas indispensável, e recusando o unanimismo em torno de chefes.

Tive, ao longo destes dez anos, como simples militante ou como dirigente, divergências com opções do Bloco. Delas resultaram discussões internas calmas ou acaloradas. Mas nunca tive como resposta processos de intenções. As divergências, no Bloco, valem por si próprias e não se fazem atalhos para pôr de lado as posições diferentes. Perde-se a ganha-se, claro. Fazem-se escolhas e as pessoas são responsabilizadas pelas posições que defenderam. Mas o terreno é o da política, não é o da suspeita de traição. E a verdade é que crescemos todos muito com este processo. Ao contrário do que os defensores da pureza ideológica julgam, há disciplina no Bloco. Mas ela nasce da democracia interna, com garantias formais e informais para quem esteja em minoria. Assim, a disciplina é aceite como resultado de um processo justo (e mesmo a justeza deste processo pode ser posta em causa por qualquer um) e não como resultado de um processo que já tem um fim determinado à partida. E esta é a diferença entre a disciplina e a obediência.

Para mim, pessoalmente, a política partidária voltou a fazer sentido. O Bloco é perfeito? Longe disso. Umas vezes fomos exigentes, outras facilitámos; umas vezes demos o exemplo na capacidade de falar para fora e trabalhar com outros, outras demos sinais de sectarismo; umas vezes tivemos a coragem de apresentar propostas, outras nem por isso. E quando falo do plural, incluo-me nos acertos e nos falhanços.

E os maiores testes à solidez do Bloco ainda estão para chegar. Um, será quando aos dirigentes fundadores, que tiveram um papel fundamental na coesão do partido, sucederem as novas gerações. Não será fácil. Outro, é quando o Bloco se vir confrontado com a chantagem ou a possibilidade do poder e, tome a decisão que tomar, pode pôr em causa tudo o que acumulou. Mas, independentemente de tudo, o Bloco foi o primeiro partido que, depois das primeiras eleições de 1975, se conseguiu impor na vida portuguesa. E é um partido que corresponde à renovação que, fora da política partidária, a esquerda sofreu na sociedade civil nos últimos vinte anos. É olhado, garanto-vos, no resto da esquerda europeia, como um exemplo de um processo bem conduzido. Ao contrário do que tantas vezes se escreve por aí, o nascimento e consolidação do Bloco, com tudo o que tinha para falhar, é uma demonstração de uma enorme maturidade e responsabilidade dos seus fundadores.

Por vezes discordei do meu partido. Mas até hoje nunca deixei de achar que participar no nascimento do Bloco foi a coisa mais relevante da minha quase irrelevante vida política. E sei que há milhares de pessoas que militam no Bloco com uma biografia política bem mais recheada do que a minha que sentem exactamente o mesmo.

A política portuguesa mudou com o Bloco. E mudou para melhor. A minha experiência política também. E por isso comecei por falar dela e resolvi dar aqui um testemunho mais pessoal. Um partido que quer mudar a forma de exercer a política (e isso o BE ainda não conseguiu – trata-se de um trabalho de longo prazo) tem, antes de mais, de conseguir agir sobre aqueles que nele militam. E por isso fiz aqui esta pequena biografia, se é que sequer assim se pode chamar. Porque o Bloco alterou a forma como me vejo na política e como me porto na política. Quando nasceu, há 10 anos, apanhou-me mais descrente do que nunca em relação à vida partidária e até de cidadão. A mim, que desde tão novo a ela me entreguei, não me apanhavam noutra. A ideia de que, ao ser militante, teria de prescindir da minha autonomia intelectual, era insuportável. Estava confortável na minha posição de independente e achava que a convicção colectiva seria o contrário da tolerância e que a militância seria o contrário da liberdade. Decidi, no entanto, arriscar. E isso aconteceu porque, em vez do cinismo e da descrença que então me dominavam, achei que desta vez podia ser diferente. Fiz bem. Está a ser diferente.

Independentemente do que nos reserva o futuro, sei que só não falha quem não faz. O que fizemos há 10 anos, como diz o Fernando Rosas no documentário, olhando agora para trás, foi um gesto de uma enorme ousadia. Quase atrevimento. Podia ter corrido muito mal. Podíamos ter dado cabo das poucas esperanças e energias que restavam. Não demos. Por mim, sou, não tenho dúvidas, hoje politicamente mais útil e mais capaz. E isso deve-se, em grande parte, ao Bloco, onde aprendi, com outras pessoas, imensa coisa. Por isso, estes dez anos são, para mim, mais do que uma cerimónia.

PS: Vitor Dias garante-me que nunca deu aulas de política internacional. E se o diz, seguramente é verdade. A memória prega partidas quando chega à adolescência. Seguro, para mim, é que a conversa existiu e foi com ele - terá sido seguramente mais importante para mim do que para ele. É possível é que a aula tenha sido dedicada a outro tema (informação e propaganda, informa ele) e isto tenha surgido na conversa ou por perguntas minhas. Ainda assim, não me parece que seja muito relevante para a história e não tinha qualquer intenção de o melindrar. Pelo lapso, ficam as minhas desculpas.

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (154) | partilhar

Sexta-feira, 27 de Fevereiro de 2009
por Pedro Sales
Pedro Adão e Silva, um dos autores da moção de José Sócrates, está na Sic Notícias a comentar o congresso como "politólogo". Pois.

por Pedro Sales
link do post | comentar | ver comentários (14) | partilhar

por Daniel Oliveira


por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (23) | partilhar

Quinta-feira, 26 de Fevereiro de 2009
por Pedro Vieira
 

O nome não é auspicioso, houve quem temesse assistir a uma versão do jornal 24 Horas a partir de um estúdio de televisão, confira-se o noticiário da TVI dita "normal" para perceber que os medos nem sempre são infundados, mas a emissão arranca com sobriedade, Henrique Garcia e Moniz em cenário minimalista, mesa branca e chroma key sobre o Tejo, less is more, já dizia o arquitecto Rohe, na versão de alguns, ou então o Paulo bento, na versão de muitos.

O chefe dá as boas-vindas, afirma a fé no jornalismo relevante e siga para bingo, para a primeira peça, novidades sobre a economia nacional comentadas pelo homem do azulejo "Cuidado com o Bagão", aquele mesmo cujo código do trabalho foi vilipendiado há anos atrás pelos mesmos indivíduos que hoje em dia trouxeram à liça um ainda mais amigo da classe operática, junta-te aos bons e serás como eles, junta-te aos maus e blábláblá, e do outro lado da mesa o primeiro indivíduo a ser eleito para o parlamento português nas listas da Iberdrola, ex-delfim dos amanhãs que canta(ra)m, agora convertido ao cinzento dos fatos que não Maconde, é gente desta que enterra a Superconfex e o aparelho produtivo nacional, está dito.

Avança-se para a peça que antevê o congresso do PS, efeméride na qual será entronizado o engenheiro- técnico-mais-uns-pózinhos Kim-il Sócrates, na sequência de uma votação que andou no roça-roça com os 100% , efeméride essa antecipada pela Constança Muito Blasé Cunha e Sá, diz ela que o congresso poderá não trazer nem muita parra nem muita uva, são tempos de crise até para a vinicultura, hélas.

A partir daqui larga-se o nosso rectângulo, mergulha-se no internacional, lança-se a peça que há-de escrutinar a queda do avião turco e eis-nos num imenso espaço PUB, com a EDP e uma variedade de Skip que faz as criancinhas rebolar nas ervas floridas arraçadas da campanha do Molico, outros tempos, as mesmas iconografias, volta o noticiário e com ele o avião partido em três, sem novas pistas sobre o acidente, sem a identidade dos passageiros confirmada, e eis-nos no Bloco Obama do espaço noticioso, os túneis de Gaza bombardeados e o enviado de Obama, a quase falência da General Motors e o orçamento de Obama, a descida da taxa de popularidade (de quem?) e a frase jocosa de rodapé: 'Taxa de popularidade de Obama "queimada" com plano de estímulo económico', só faltou arrematar com um prosaico 'Futuro negro para Obama', há muita analogia por onde escolher, e para falar da América entra Bernardo Pires de Lima, salvé, um  homem da blogosfera, sangue novo mas com cãs no cabelo, para garantir a credibilidade.

O internacional continua com uma entrevista ao representante da ONU em Timor-Leste, sabendo-se que a Fox não abre mão dos Simpsons a TVI 24 apostou num perfeito imitador do Apu Nahasapeemapetilon, avance-se para a Taça Uefa onde o Braga dá cartas mas sucedeu que o Jesus ainda não estava disponível para falar aos seus discípulos sobre o empate e as questões do forno interno do clube (sic), vem depois um lamiré à mão cheia de Bayern que aterrou no Campo Grande, Paulo Bento logo seguido de Pedro Barbosa numa prova de que há algo de podre no reino dos cabeleireiros, de seguida o frango de Helton, sem direito a contraditório, e chegamos ao momento da síntese nacional.

Nela desfilam o julgamento adiado de Isaltino Morais, tio de um famoso taxista helvético, o caso Freeport e o degredo de Justiça, o julgamento do processo Casa Pia e o processo de fraude que envolve uns vereadores da Câmara Municipal de Coimbra, e assim, numa penada, chegamos ao fim da dita síntese e percebemos que Portugal continua a ser apenas e só um imenso Código Penal, mas com mais telemóveis per capita do que qualquer código estrangeiro. A fechar, o Tempo, mas sem efemérides de griffe Mário Crespo, a este Henrique Garcia ninguém arranca a data de nascimento do Savonarola nem a filmografia do Billy Wilder, este dá as boas noites, um até já, lança o painel de debate que vem aí com o Pulido Valente e derivados e ao fim da primeira hora percebemos que dificilmente se leva alguém de esquerda à televisão, nunca à noite e muito menos em programas da manhã (é conferir amanhã a partir das sete), caso contrário ainda comem ao pequeno-almoço as criancinhas da redacção, o que é francamente indigesto. Siga a emissão, então.

por Pedro Vieira
link do post | comentar | ver comentários (10) | partilhar

por Daniel Oliveira



Com pouco mais de uma hora de emissão, pouco se pode dizer sobre o novo canal de notícias para além do grafismo, decor e grelha. Sobre o decor, não podia ser pior. O telejonal é apresentado numa nave espacial (uma mesa enorme branca desafia todas as regras). O grafismo também não é famoso.

A TVI não tem, sobretudo em matéria informativa, a rodagem dos outros dois canais. Sempre apostou menos nessa área. A RTP tem muitos anos e a SIC tem há muito tempo um canal de notícias. Henrique Garcia parece estar enferrujado, mas é uma boa aposta para dar credibilidade ao canal.

Quanto à grelha: muitos programas são uma cópia da SIC Notícias que já tinha sido copiada pela RTP N. Até os programas de debate têm o mesmo modelo: frente-a-frente diário de comentário às notícias, debate semanal a três que pretende ser de referência e debate semanal informal. Os dias de cada um até serão os mesmos. Só não arriscaram as mesmas horas. Novidade, serão, talvez, os programas mais populares. Foi aí que a TVI decidiu arriscar. No resto ficou-se pelas fórmulas que os concorrentes já experimentaram.

Só em velocidade cruzeiro se pode saber o que vale um projecto deste genero. Com concorrentes mais experientes e com públicos mais fieis (a RTP N demorou muito a descolar), não será fácil. As cópias dificilmente resultarão. As novidades, que são algumas, talvez.

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (16) | partilhar

por Pedro Sales
http://wpcom.files.wordpress.com/2007/01/mattmullenweg-interview.mp3

por Pedro Sales
link do post | comentar | partilhar

por Pedro Sales
José Sócrates garantiu que só na terça-feira é que tomou conhecimento do negócio da Caixa com Manuel Fino. Só há duas interpretações possíveis para esta fantástica revelação. Ou está a fugir à verdade, para não assumir as responsabilidades políticas por uma história muito mal contada, ou temos um primeiro-ministro que passou os últimos dez dias nas ilhas selvagens e sem contacto telefónico com os seus assessores. Nenhuma das hipóteses é particularmente estimulante.

Mesmo assim, é mais fácil acreditar no retiro espiritual de Sócrates do que na tese que o Governo não tem nada a ver com a política da Caixa. O Estado é o único accionista de um banco público, com responsabilidades públicas. É o Governo quem responde politicamente pelas acções da Caixa. Não são os administradores, como diz Sócrates, quem tem que prestar contas ao Parlamento. Esses prestam contas ao Governo, o governo é escrutinado pelos contribuintes e eleitores, os verdadeiros accionistas de um banco que parece ter dois pesos e duas medidas na concessão de crédito. Esta história é elucidativa sobre as prioridades da Caixa. Os malabarismos verbais de Sócrates apenas nos dão conta da dimensão da embrulhada.

por Pedro Sales
link do post | comentar | ver comentários (25) | partilhar

por Pedro Sales
O uso de telemóveis pelos alunos está formalmente proibido na Escola Básica do 2.º e 3.º ciclos Ruy Belo, em Queluz. Segundo uma fonte da escola, na sequência de uma reunião realizada na semana passada, terá mesmo sido proibida a "entrada" destes aparelhos no recinto. Outra fonte referiu que está apenas interdita a sua utilização. Independentemente das versões, o fim é claro: travar os episódios de violência e indisciplina associados a este equipamento. (Diário de Notícias)

por Pedro Sales
link do post | comentar | ver comentários (34) | partilhar

por Daniel Oliveira

Primavera



Verão



Outono



Inverno



Aimação na areia de Ferenc Cakó.
Quatro Estações de Vivaldi dirigida por Lamberto Gardelli


por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (9) | partilhar

por Pedro Vieira


da técnica do quadrado às maravilhas da oftalmologia


© rabiscos vieira


 


por Pedro Vieira
link do post | comentar | ver comentários (5) | partilhar

por Daniel Oliveira
Os documentos entregues pelo Procurador-geral da República aos advogados da Reprieve terão contribuído para a libertação do etíope Binyam Mohamed, o primeiro detido na base naval norte-americana de Guantánamo a ser libertado após a chegada de Barack Obama à presidência dos EUA. Ele passou por Portugal entre 15 e 17 de Setembro de 2002, numa escala feita no aeroporto Sá Carneiro, no Porto, depois de ter sido detido em 2002 no Paquistão.

O ministro Luís Amado considerou isto uma "não notícia". Afinal de contas, nada de novo. Os documentos até foram entregues à PGR pelo Ministério. O que é extraordinário é que ao fim deste tempo todo o senhor Amado continue a desvalorizar tudo sem nunca nos falar das consequências políticas do que se vai sabendo?. Responsáveis? Nenhum. Havia um alvo a atacar: Ana Gomes, que andava, todos diziam, a delirar. E, no entanto, até agora, tudo o que disse se tem confirmado. Ela fez o seu trabalho. Já Amado, é como se não fosse nada com ele. Portugal foi palco de um crime? E o que é que isso interessa?

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (13) | partilhar

por Daniel Oliveira
O Ministério Público pediu hoje uma pena de prisão, que não quantificou, para o ex-presidente da Câmara Municipal do Marco de Canaveses, Avelino Ferreira Torres, a quem imputou a prática de quatro dos seis crimes de que vinha acusado. O procurador Remízio Melhorado salientou que ficaram provados os crimes de corrupção, peculato de uso, abuso de poder e extorsão.

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (10) | partilhar

Quarta-feira, 25 de Fevereiro de 2009
por Daniel Oliveira
O que diz o jogador: “Não fizemos um único lance e eles, quando criaram, fizeram o primeiro golo. Na segunda parte não é preciso explicar mais. Em casa frente aos nossos adeptos é muito complicado."
O que diz o treinador: “As explicações para este resultado começam na primeira parte, porque fomos para o intervalo com um resultado injusto. Fomos melhor equipa que o Bayern nesse período. Num erro sofremos o golo e penso que tivemos durante a primeira parte oportunidades suficientes para marcar e para estar em vantagem. Depois, em 20 minutos deitámos tudo a perder”

Preciso de dizer alguma coisa?

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | partilhar

por Daniel Oliveira


E com Romagnoli em vez de Vukcevic, temo que o final da história seja o mesmo.

PS: E tinha razão no que sentia. Mas, mesmo assim, hoje posso dizer que o Sporting de Paulo Bento me conseguiu surpreender. E eu julgava que não era possível. Levar cinco a zero em casa é obra.


por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (35) | partilhar

por Pedro Sales
À saída do debate quinzenal no Parlamento, José Sócrates garantiu que só ontem é que tomou conhecimento do negócio da Caixa com Manuel Fino. Compreendo que o primeiro-ministro, e os seus assessores, não leiam o Arrastão, mas, convenhamos, o assunto foi capa do Jornal de Negócios vai para mais de dez dias. Entretanto, mereceu conferências de imprensa do PP e Bloco, requerimentos do PCP e Vera Jardim, as rádios falaram durante horas no assunto, o mesmo acontecendo com Marcelo Rebelo de Sousa na RTP1.

por Pedro Sales
link do post | comentar | partilhar

por Pedro Sales
À saída do debate quinzenal no Parlamento, José Sócrates repetiu quatro vezes que os jornalistas repetem as perguntas da oposição. Realmente, como é que não se lembraram de colocar ao primeiro-ministro as estimulantes questões levantadas por Alberto Martins?

por Pedro Sales
link do post | comentar | ver comentários (9) | partilhar

por Daniel Oliveira
É ilícito: mostrar as partes púbicas de uma mulher.
É lícito: corromper um vereador.

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | partilhar

por Daniel Oliveira
Presidente da Assciação Sindical dos Juízes diz na SIC Notícias que estamos a caminhar para uma sociedade orveliana.

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | partilhar

por Daniel Oliveira
Titula o Correio do Minho
“Tribunal pune um lapso de Névoa”
e em antetítulo
“O modo como foi feito — e não o conteúdo — o convite para José Sá Fernandes fazer uma declaração pública e desistir da acção judicial é a razão fundamental da condenação de Domingos Névoa.”
e na legenda da foto
“Domingos Névoa vítima da ignorância ou boa fé no interlocutor?”
e no corpo da notícia
“Se a proposta feita a Ricardo Sá Fernandes, por Domingos Névoa, de forma oculta, para que o irmão desistisse da acção judicial, tivesse sido feita directamente pela advogada deste, Rita Matias, não havia (suborno) crime nem o Tribunal da Boa-Hora o condenava a multa de cinco mil euros. Esta é essência do acórdão proferido pelo Tribunal de Boa-Hora, na passada segunda-feira. Entre a ignorância do empresário e a intenção de corromper, o Colectivo convenceu-se da segunda. O “quê” não foi crime mas o “como” é.”

Para quem não sabe o Correio do Minho era propriedade da Câmara até há uma década atrás e depois foi privatizado… a amigos de Mesquita Machado.

Comentário de um leitor.

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | partilhar

por Pedro Vieira
 

há um par de dias o senhor do sindicato dos juízes disse na sic notícias que estamos a caminhar para uma sociedade orveliana (sic). desconfio que ele próprio já começou a aplicar uma espécie de novilíngua.

por Pedro Vieira
link do post | comentar | ver comentários (9) | partilhar

Terça-feira, 24 de Fevereiro de 2009
por Pedro Sales
No espaço de uma semana, ficámos a saber que os delegados do Ministério Público e os agentes da PSP têm poder para, em nome de uma suposta moral vigente, apreender livros e censurar uma sátira de Carnaval. Fica o registo.

por Pedro Sales
link do post | comentar | ver comentários (21) | partilhar

por Pedro Sales
Quem sabe acreditando nas milhentas proclamações sobre a necessidade de combater a corrupção e melhorar o sistema judicial, João Cravinho apresentou no Parlamento várias propostas para combater a corrupção. Aprendeu rapidamente que há discursos que não passam disso mesmo. Conversa. O PS enviou-o para uma reforma dourada e rapidamente se esqueceu das suas medidas.

Uma delas, acabar com a iníqua distinção entre corrupção activa para acto lícito e ilícito, provou a validade com a simpática “multa” de Domingos Névoa e a possibilidade do Freeport prescrever. Em ambos os casos, a justificação para o impensável é a suposta licitude da decisão. O problema da corrupção é a corrupção, ponto, e não o suposto objectivo da mesma. A brandura legal para esta forma lícita de corrupção é a vitória da traficância politica, a subversão da lei e a confirmação de que a chico-espertice entre nós quase sempre compensa.

PSD e Bloco de Esquerda retomaram o esforço de João Cravinho. Em vão. O PS encarregou-se chumbar ambos os projectos e tornar o "pacote anti-corrupção" em mais uma operação mediática sem correspondência com a realidade. Quando Domingos Névoa diz que vai continuar a fazer o que sempre fez, espero que não se esqueça de agradecer a quem de direito. Aos autores deste Código Penal e a quem se lembrou que o crime de corrupção activa, se for para um acto lícito, nunca corresponderá a mais de seis meses de pena. Falta ainda agradecer a José Sócrates e Alberto Martins. Não há nada como ter um partido que compreende a necessidade de não importunar uma economia de sucesso. A do suborno, compadrio e corrupção.

por Pedro Sales
link do post | comentar | ver comentários (13) | partilhar

por Daniel Oliveira
Júlio Monteiro explicou na quarta-feira, no Tribunal de Cascais, que o filho, Hugo Monteiro, tinha 'inventado' um endereço dee-mail com o nome do primo – j.socrates@neuroniocriativo.com– para justificar as cunhas que tentou meter junto da sociedade Smith e Pedro para conseguir trabalho. Em declarações ao CM, Sá Leão, advogado do tio do primeiro-ministro, explicou que de facto não foi uma ideia muito feliz. 'O Hugo é bom rapaz e fez um disparate. Se eu fosse o primeiro-ministro faria o que ele está a fazer. Não liga, mas quando visse o primo dava-lhe dois pares de estalos.'

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (7) | partilhar

por Daniel Oliveira
Esclarecimentos da PSP sobre a apreensão de livros de arte: “Tratou-se de uma medida cautelar para evitar uma alteração da ordem pública e o cometimento de outros crimes” já que se estava perante a “iminência de confrontos físicos” no recinto da feira, já que havia pais que "não gostaram da situação, começaram a ficar inquietados e pediram aos organizadores que retirassem os livros”.

O caro cidadão fica a saber que, quando não gostar de um livro que esteja a venda, dê sinais que vai começar a bofetada e a PSP trata do assunto.

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (28) | partilhar

por Pedro Vieira

© rabiscos vieira


por Pedro Vieira
link do post | comentar | ver comentários (30) | partilhar

Segunda-feira, 23 de Fevereiro de 2009
por Pedro Vieira
soube do avançado que jogava nas costas do defesa e gritou que não era normal.

por Pedro Vieira
link do post | comentar | ver comentários (11) | partilhar

por Daniel Oliveira
Os jornalistas e restantes funcionários dos quatro jornais da Controlinveste (Diário de Notícias, Jornal de Notícias, 24 Horas, O Jogo) afectados pelo despedimento colectivo de 122 trabalhadores decidiram na sexta-feira apresentar um pré-aviso de greve de 24 horas para o dia 4 de Março.

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (9) | partilhar

por Daniel Oliveira



A PSP de Braga apreendeu hoje, numa feira de livros de saldo, alguns exemplares de um livro sobre pintura, considerando que o quadro reproduzido na capa, um clássico do pintor Gustave Courbet, é «pornográfico»

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (68) | partilhar

por Daniel Oliveira
À saída do tribunal, como disse o Pedro aqui em baixo, Domingos Névoa disse que não pretendia mudar em nada a sua conduta. É natural. Basta, da próxima vez que tentar corromper um autarca, nem se preocupar com a possibilidade de ser apanhado, e acrescentar cinco mil euros aos 200 mil que está disposto a pagar. A decisão do tribunal, que deu todos os factos como provados, pode ser juridicamente impecável, mas esbarra com toda a lógica: desde que dispostos a pagar mais um pouco, os constutores civis podem corromper autarcas para um acto lícito. Ou seja, podem capturar o nosso voto. É só uma questão de preço.

PS: O juíz salientou as origens humildes do senhor, como um dado a seu favor. Ou seja, enriquecer através da trafulhice é mais legitimo do que querer ficar rico através dela. Ainda bem que avisam. Ando eu aqui, feito parvo, a viver do meu trabalho...

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (20) | partilhar

por Pedro Sales



“Não cometi erro nenhum, por isso hei-de continuar a fazer o que fiz até hoje”, assegurou um Domingos Névoa lesto a perceber o sinal da “Justiça” portuguesa, depois do tribunal o ter condenado a pagar 5 mil euros de multa por ter dado como provado o crime de corrupção activa para acto lícito.

por Pedro Sales
link do post | comentar | ver comentários (6) | partilhar

por Daniel Oliveira
"O administrador da Bragaparques, Domingos Névoa, foi condenado hoje ao pagamento de uma multa de cinco mil euros por corrupção activa para acto lícito. Em causa está uma tentativa de suborno ao vereador da Câmara de Lisboa José Sá Fernandes, para que desistisse de uma acção penal por contestação do negócio de permuta dos terrenos do Parque Mayer, pertencentes à Bragaparques.

Na leitura do acórdão no Tribunal da Boa-Hora, o juiz-presidente do colectivo, Nuno Coelho, considerou provada a tentativa de corrupção, mas afirmou que não ficou provado que Domingos Névoa quisesse que José Sá Fernandes "violasse os seus deveres enquanto vereador" e "condicioná-lo para que votasse no futuro a favor das empresas do arguido" nos negócios que mantivesse com a autarquia da capital.

Ao pretender que José Sá Fernandes se pronunciasse em público pela legalidade da permuta, não se pode concluir que Domingos Névoa quisesse que o vereador "prestasse falsas declarações", até porque o negócio ainda está a ser apreciado em tribunal, acrescentaram os juízes."


Haverá razões jurídicas para uma pena tão baixa para um caso onde ficou provada a tentativa de subornar um vereador. Razões, segundo percebi, que se prendem com o facto do negócio da Bragaparques ainda não ter sido julgado. Ainda assim, fica esta sensação amarga de que, mesmo quando apanhado com a boca na botija, o corrupto lá se safa. Estão de parabéns Ricardo e José Sá Fernandes. Valeu a pena? Sim, pelo menos é um sinal. Tímido, mas um sinal. Trata-se da primeira condenação deste género num país onde, a julgar pelos desfechos judiciais, não há corrupção.

Fico à espera da reacção dos que tão intensamente se dedicaram a este assunto (recordar aqui, aqui, aqui e aqui)

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (22) | partilhar

por Pedro Sales
Compreende-se que o Minist´erio Público esteja muito atarefado a gerir as suas prolixas , mas não há uma alminha caridosa interessada em ouvir os responsáveis pelo BPN. Não têm visto as notícias.

por Pedro Sales
link do post | comentar | partilhar

por Pedro Sales
As vozes que se levantaram contra a comissão de inquérito à nacionalização do BPN andam estranhamente caladas. Compreende-se. Mesmo considerando a mais que suspeita relutância do Banco de Portugal e das auditoras em disponibilizar qualquer tipo de documentos, a verdade é que a informação que tem sido apurada é mais que suficiente para pôr os cabelos a todos o cidadãos que não respondam pelo nome de Pinto Monteiro ou Cândida Almeida. Dinheiro pago à margem das contas oficiais, acesso quase irrestrito às contas do Insular, irregularidades e crimes financeiros de toda a ordem, nada parece incomodar o Ministério Público. Talvez estejam à espera que prescreva, um hábito local, ou, como na operação Furação, de juntar 300 arguidos em mais um mega-processo condenado a terminar sem qualquer conclusão. Não há ninguém que diga que não confia na Justiça, mas, sem querer incomodar muito os senhores magistrados que passam os dias nas televisões, não estára na altura de começar a apresentar resultados? Penso eu de que.

por Pedro Sales
link do post | comentar | partilhar

por Daniel Oliveira
"As provas irrefutáveis que nos foram até agora apresentadas chegam para dizer que o conselheiro de Estado Manuel Dias Loureiro mentiu. Não faltou à verdade, não foi pouco rigoroso, não deu razões fundadas para suspeitas. Mentiu. E mentiu numa comissão parlamentar de inquérito (...). Esperámos tempo suficiente para que Dias Loureiro mostrasse algum decoro. Não tem. Agora, cabe ao Presidente da República, sabendo que o Estado não está vinculado às suas amizades pessoais ou cumplicidades políticas, mostrar a Dias Loureiro a porta da rua. Pode fazê-lo de forma mais educada ou mais rude, mas tem de o fazer."

LEr texto empleto ou comentar aqui.

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | partilhar

por Pedro Vieira
Mais de 70 mil desempregados inscreveram-se em Janeiro nos centros de emprego 

por Pedro Vieira
link do post | comentar | ver comentários (6) | partilhar

por Daniel Oliveira



E os Oscares, esta noite, foram, como se esperava, para um teledisco com a pobreza num cartão postal de cores fortes. Uma fotonovela de amor mal amanhada com a personagens com a mesma densidade de uma série para adolescentes. Realização para encher o olho e um retrato India digno de um guia turístico de bolso. Valeu a pena esperar para saber que, no meio daquilo, o trabalho de Sean Penn era reconhecido.

Em Milk, Sean Penn mostrou, mais uma vez, que tem aquela capacidade extraordinária, como tão bem explicou Robert De Niro quando o apresentou (e sabe do que fala), de desaparecer nas suas personagens. Quem, depois de Pean, pode imaginar Harvey Milk de outra forma? E o mesmo aconteceu com Matthew, em Dead Man Walking, Paul, em 21 Gramas, Samuel, em O Assassino de Richard Nixon, o sargento de Casualties of War ou o pai desesperado de Mystic River. E quem reconhece o mesmo actor em cada uma destas personagens? A noite em que um filme de quem ninguém se lembrará daqui a uns anos levou uma batelada de Oscares foi salva por este Sean Penn. Vê-lo de novo num filme de Clint Eastwood, é tudo o que desejo.

Uma pessoa olha para o excelente cinema que se continua a fazer na América e para aqueles aquilo a que, esta noite, deram os Oscares, e pensa: dá Deus nozes a quem não tem dentes. Depois, como sabemos, não é bem assim.

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (41) | partilhar

Domingo, 22 de Fevereiro de 2009
por Daniel Oliveira
Hoje é noite de Oscares. E este ano fui menos ao cinema do que é meu costume. Assim, ficam aqui apenas algumas notas sobre os nomeados que vi. Menos do que queria.

Milk
Gus Van Sant
Nomeações: Melhor Filme; Melhor Realização; Melhor Actor (Sean Penn); Melhor Actor Secundário (Josh Brolin); Melhor Argumento Original e Melhor Montagem.


O filme é muito bom, a realização também, mas, para além do tema, é a representação de Sean Penn, um dos melhores actores no activo, que vale quase tudo. O Oscar tem de ir para ele. Melhor filme? Dos que vi, talvez. Mas como me faltam alguns. Melhor actor secundário para Josh Brolin? Só se outros forem fraquinhos (só vi, para além dele, Heath Ledger, em Cavaleiro das Trevas). O que, com Philip Seymour Hoffman na corrida, tenho muitas dúvidas.

Frost/Nixon
Ron Howard
Nomeações: Melhor filme; Melhor Realização; Melhor Actor (Frank Langella); Melhor Argumento Adaptado e Melhor Montagem.


Um filme documentalmente interessante, onde são esquecidos alguns pormenores (como o facto de Nixon ter recebido uma percentagem das vendas da entrevista e não apenas o dinheiro inicial, o que é importante para perceber algumas das suas motivações) e onde as atenções são demasiado centrado no entrevistador. Com uma excelente representação de Frank Langella (Nixon), é impensável dar-lhe o Oscar para Melhor Filme.

Quem Quer Ser Bilionário?
Danny Boyle
Nomeações: Melhor Filme; Melhor Realização; Melhor Argumento Adaptado; Melhor Fotografia; Melhor Som; Melhor Montagem; Melhores Efeitos Sonoros


O teledisco Trainspotting era excelente. Este é apenas uma estopada. O que é pena. Alguns actores (sobretudo os putos) são bons, o argumento parte de uma boa ideia. E acaba aí. Tudo muito MTV alternativa, cores fortes, muito movimento e mais nada.
E, no entanto, diz-se que este é um dos maiores candidatos à festa milionária que os Oscares garantem aos filmes que levam mais estatuetas. Mas não devemos esquecer que esta foi a mesma Academia que nunca deu um Oscar a Nicholas Ray e Stanley Kubrick (apenas o recebeu por efeitos especiais); que nunca considerou Hitchcock como melhor realizador; que demoraria uma carreira inteira a dar esse estatuto a Martin Scorsese, com um filme que, sendo bom, está longe de ser um dos seus melhores; e que teve de compensar os seus “lapsos” com prémios honorários a gente "menor" como Chaplin, Greta Garbo, Cary Grant, Ennio Morricone, Orson Welles, Jean Renoir, Akira Kurosawa, Federico Fellini, Michelangelo Antonioni e Sidney Lumet. Dito isto, "Quem Quer Ser Bilionário?" até pode levar o Oscar sem isso causar estranheza. Mas como, na última década, a Academia tem mostrado um pouco mais de rigor, espero que não.

A Troca
Clint Eastwood
Nomeações: Melhor Actriz (Angelina Jolie); Melhor Fotografia e Melhor Direcção Artística.


O filme é excelente. Mas sendo de Clint Eastwood, isso é pouco. Ou seja, não é genial, como foram os anteriores. Como ainda não vi as representações das restantes candidatas ao Oscar de Melhor Actriz e acho que Angelina Jolie faz um bom papel, estou por ela. É uma forma indirecta de estar, como estou sempre, com Clint Eastwood. Não há aqui, claro, qualquer objectividade.

Austrália
Baz Luhrmann
Nomeações: Melhor Guarda-Roupa


Acho bem a nomeação para melhor guarda-roupa. Porque quer dizer que não teve mais nenhuma. Muito mau. Mesmo.

A Turma
Laurent Cantet
Nomeações: Melhor Filme Estrangeiro


Grande, mesmo grande filme. Vale mais do que vinte debates sobre a escola e sobre os professores. Sem facilidades nem chavões. Grandes diálogos, grandes representações dos adolescentes que entram no filme. Apesar de se repetir permanententemente o contrário (e de eu ser um fã de cinema americano), a Europa continua a produzir excelente cinema. Franceses indluídos.

A Valsa com Bashir
Ari Folman
Nomeações: Melhor Filme Estrangeiro


Confesso que entre este e a Turma não me consigo decidir. Desta animação, nem vou dizer grande coisa. Valia um texto interminável sobre a guerra e sobre como a memória colectiva e individual trata de sarar as suas feridas. Sobre o esquecimento. E, falando daquele conflito, tanto haveria para dizer. E o filme diz. A não perder.

WALL-E
Andrew Stanton
Nomeações: Melhor Filme de Animação; Melhor Argumento Original; Melhor Som e Melhores Efeitos Sonoros.


Uma animação que, para quem a tenha visto, seria uma crítica à sociedade de consumo e teria uma mensagem ambiental. Os realizadores ficaram assustados que alguém pensasse que estavam a dar às crianças mais do que puro e simples entretenimento e negaram. Mas não há como. Dentro do género, excelente animação.

O Cavaleiro das Trevas
Christopher Nolan
Nomeações: Melhor Actor Secundário; Melhor Direcção Artística; Melhor Montagem e Melhor Caracterização


Não gostei muito e queria gostar. Nem sequer de Heath Ledger. Mas não me importo que lhe dêem o prémio. Por outros papeis, merece. Posso estar a ser injusto, que já vi há algum tempo. Mas a memória que me deixou não é famosa.



Infelizmente, ainda não vi muitos dos nomeados. As minhas prioridades são a Dúvida, O Leitor, O Visitante e O Complexo Baader Meinhof. Foi um ano dificil, como têm notado pela menor regularidade com que aqui escrevo. O Público está a organizar uma votação.

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (16) | partilhar

pesquisa
 
TV Arrastão
Inquérito
Outras leituras
Outras leituras
Subscrever


RSSPosts via RSS Sapo

RSSPosts via feedburner (temp/ indisponível)

RSSComentários

arquivos
2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


Contador