Quarta-feira, 8 de Janeiro de 2014
por Daniel Oliveira

Por causa do inenarrável relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito aos SWAP, que teve como única vantagem dar a conhecer ao País a não menos inenarrável deputada que escreveu o dito, voltou a ladainha do costume: as comissões de inquérito não servem para nada. Os prevaricadores agradecem. Se há coisa que qualquer maioria dispensa é comissões de inquérito credíveis.

 

As comissões de inquérito têm uma função: averiguar do cumprimento da Constituição e das leis e apreciar os atos do Governo e da Administração. É uma função central do parlamento. E isso consegue-se em dois momentos: no período de inquérito, público e aberto à comunicação social, e na aprovação dum relatório final. Na realidade, o essencial acontece na primeira fase. Muitos dos jornalistas e comentadores que desprezam estas comissões foram, nos últimos anos, buscar-lhes imenso material para o seu trabalho. Muito do que ficaram a saber sobre o BPN, sobre as PPP e até sobre os SWAP foi graças a estes inquéritos públicos. E se o público em geral não é capaz de fazer o seu próprio juízo sobre as responsabilidades de cada um nestes três casos, quer dizer que ou não se interessou ou a comunicação social falhou na sua função de informar, o que passa sempre por traduzir para uma linguagem acessível o que é complexo por natureza.

 

Só depois do inquérito vem o relatório. Na realidade, não tendo qualquer valor judicial, e tendo sido as inquirições feitas perante os olhos de todos, ele é quase irrelevante. Não há ali uma sentença. E talvez seja este o maior equivoco de em relação às comissões de inquérito. Há gente que espera que ali seja feita justiça. Só que, apesar de ter poderes de investigação próprios das autoridades judiciais, não cabe a estas comissões fazer justiça. Cabe aos tribunais. Ainda assim, nas comissões parlamentares do BPN, das PPP e dos SWAP foi recolhida informação documentada que foi enviada ao Ministério Público.

 

Por uma vez, façamos alguma justiça à nossa democracia. Apesar de todas as tentativas de instrumentalização, apesar de se misturar tudo para tudo parecer de igual relevância, tem sido menos habitual do que no passado o bloqueio, por parte das maiorias, ao funcionamento destas comissões. E elas têm tido muito mais exposição mediática, que é uma condição para o cumprimento duma das suas funções (a da transparência do Estado). Se há momento em que deixou de fazer sentido dizer que as comissões de inquérito não servem para nada é nos últimos anos.

 

Sim, muitas vezes os relatórios são parciais e não correspondem ao que aconteceu no inquérito. Sim, irrita constatar a incapacidade de ter no parlamento espíritos livres e independentes. Sim, incomoda saber que há tanta gente na política que nunca critica o seu partido. Mas muitos dos que se irritam e incomodam costumam ser bem lestos a tratar as discordâncias internas nos partidos como sinal de fraqueza do seu líder. E a comportar-se, na sociedade, com a mesma obediência acrítica ao poder mais próximo. Somos uma sociedade pouco democrática, com inúmeras dependências, politicamente pouco sofisticada e que desvaloriza o confronto de opiniões, como se vê pelo sucesso de todos os apelos à "unidade nacional" e ao "consenso político". Porque havia de ser diferente dentro de cada partido?

 

Mas a falta de rigor dos relatórios, desmerecendo os deputados que os escrevem, não apaga o que aconteceu nas comissões. A convicção geral de que elas não servem para nada diz muito mais da falta de exigência dos cidadãos consigo próprios do que sobre o funcionamento (que genericamente é deficiente) da Assembleia da República. Para quem se quis informar, a comissão de inquérito dos SWAP (assim como as das PPP e do BPN) deu muito material. Só que não há comissões de inquérito que valham a um país que não lê jornais e acompanha pouco a vida política. É que para a transparência do Estado ter algum benefício público é preciso que alguém esteja a olhar para lá.

 

Publicado no Expresso Online


por Daniel Oliveira
link do post | comentar | partilhar

15 comentários:
XisPto
Muito bem. Um pouco mais de rigor e teria denunciado a campanha montada para obstruir o esclarecimento da questão substancial: celebração de contratos com prejuízo do interesse público.

deixado a 8/1/14 às 10:22
link | responder a comentário

JgMenos
Geral concordância com duas notas.
Primeiro há que ressaltar que ao comportamento das maiorias há que contrapor o das oposições, que só se distinguem por serem de sinal contrário.
Segundo, se somos «um país que não lê jornais e acompanha pouco a vida política» é porque não só os políticos são politiqueiros como os jornalistas são geralmente meros amplificadores desssa mesma politiquice. Exemplo disso foi a diabilização dos swaps e de quem quer que tenha com eles lidado com o exclusivo propósito de 'caçar' membros do governo. 

deixado a 8/1/14 às 11:20
link | responder a comentário | discussão

JD_
Obrigado.

Absolutamente de acordo em relacção ao pseudo-jornalismo nacional.

Agradeço ainda o momento de humor - a tal coisa de chamar "diabolização" ao revelar de factos que ocorreu durante a comissão, nomeadamente a responsabilidade directa que membros deste governo e do anterior em contratos danosos, as tentativas desesperadas de lavar as mãos, as constantes falhas de memória dignas de um doente de Alzheimer por parte de certos membros do governo, e o apagar destes eventos do relatório final.

Priceless.

Já agora aproveite e vá ver se já chegou qualquer coisa à sua caixa de correio.

Saudinha.

deixado a 9/1/14 às 15:47
link | responder a comentário | início da discussão

Anónimo
Vejo que a maior parte do desequilíbrio  emocional do período monstrual já passou. Ficou o que já havia da parte cognitiva.


JgMenos
Não me faltes com o teu incómodo...é o meu bem-estar!


what?
esse sadismo a atacar em força! e sempre a contrariar o que os outros dizem com merdices pseudo-literárias...

deixado a 9/1/14 às 23:16
link | responder a comentário | início da discussão

Gosto muito de comissões de inquérito.
Espero que quando se iniciar a 147ª sobre o "Acidente/Incidente" de Camarate eu seja convidado uma vez que as pessoas muito importantes já fizeram parte de uma ou mais das anteriores.

deixado a 8/1/14 às 14:59
link | responder a comentário | discussão

Anónimo
Mas ainda há dúvidas em relação a quem limpou o cebo ao Carneiro?


Queira ler as "conclusões".
É como um totobola, uma vezes é sim, outras não e acho que até já concluíram pelo "talvez sim" e "talvez não".


Não leve a mal, escreve-se "sebo".


Anónimo
Não utilizo o corrector ortográfico como você que mesmo assim erra.
De qualquer forma e independentemente de querer ler conclusões ou não certas ou erradas (aproveite que hoje estou um mãos largas) só não sabe quem abateu o carneiro que não quer.


Obrigado.
Não tem nada a ver com erros, se assim fosse eu raramente os aponto, a não ser que sejam escandalosos.
Ambas as palavras estão certas, aqui uma delas foi mal usada e por isso atrevi-me a dar opinião.
Já agora também nos podia dizer a verdade sobre o (atentado/acidente/incidente/nunca aconteceu) de Camarate.
Não se acanhe.


Anónimo
Não tem que agradecer, foi de boa vontade.

Não se acanhe você.
 Sei que tem muito tempo para se informar e saber.
 Bem como sei que não é parvo embora se esforce por parece-lo e só não aponta o dedo acusador pq não lhe interessa.


Obrigado.
Interessa-me a 300%.
Mas estou cansado de ler e ouvir que sabem (*) e depois quando se lhes pede um facto, um nome, esquecem-se.
Parece que temos aqui mais um caso.


(*) Quem é que não conhece um fulano que (foge ao fisco, está de baixa fraudulenta, recebe RSI sem direito, devia estar preso e está cá fora, está preso e devia estar cá fora, comprou terrenos na Ota, comprou terrenos em Alcochete, lucrou com os ENVC, perdeu dinheiro com os ENVC, é sindicalista e nunca fez nada na vida, é do PCP e diz que é somente sindicalista isento, etc etc etc). 


Anónimo
Estou a falar do Carneiro e voçê vem falar de um sindicalista?

E depois tem tiradas destas
 "devia estar preso e está cá fora, está preso e devia estar cá fora"

Estás apanhado da mona? Ou é só a pinga?


Obrigado.
Já sabia que nem todos iam conseguir ler a frase, ela tem uma construção que ilude em erro.
Foi apanhado.
Sim, é sobre o Sá carneiro, conte-nos tudo o que sabe e que já sabemos é absolutamente certo.
Volto a dizer, não se acanhe.

deixado a 14/1/14 às 21:58
link | responder a comentário | início da discussão

Comentar post

pesquisa
 
TV Arrastão
Inquérito
Outras leituras
Outras leituras
Subscrever


RSSPosts via RSS Sapo

RSSPosts via feedburner (temp/ indisponível)

RSSComentários

arquivos
2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


Contador