Quinta-feira, 9 de Janeiro de 2014
por Daniel Oliveira

 

Não faz sentido ter um Panteão e não ser conservador ou até mesmo elitista quanto à sua função. Ou achamos que o Panteão é um "museu de mortos", como definiu Miguel Sousa Tavares, e não queremos lá os nossos heróis, ou consideramos que é, como recordou Henrique Monteiro num texto que subscrevo na íntegra , o lugar para adorarmos todos os nossos "deuses". E então temos critérios muito restritivos. E o critério é determinado pelo olhar que temos sobre a nossa própria história e o que queremos, como comunidade, que dela se imortalize. Ou seja, o nosso museu de mortos, o nosso templo de todos os deuses, terá de ser o retrato do nosso ideal de Nação, ela própria uma idealização de valores e supostas verdades históricas.

 

Não se trata, portanto, de medir a importância de Eusébio, que a overdose mediática desta semana deixou clara. Nem sequer da sua relevância. Trata-se de saber o que é que a sua trasladação para o Panteão pretende dizer de nós. Que ideal de Nação a sua presença ali representa. Não é por ter sido um grande jogador, um grande português ou um grande benfiquista que essa trasladação é defensável. Se essa é a justificação, parece-me muitíssimo mais justo e até mais bonito fazer o que propôs Miguel Sousa Tavares: ter Eusébio na capela do Estádio da Luz.

 

Se a questão fosse a importância de Eusébio, seria difícil justificar a ausência, no Panteão, de Egas Moniz, José Saramago, Eça de Queiroz, Camilo Castelo Branco, Vitorino Nemésio, Natália Correia, Sophia de Mello Breyner, António Sérgio, Álvaro Cunhal ou Sá Carneiro. Fico pelos nomes referidos pelo Henrique Monteiro , a que acrescento o que mais me choca: Aristides de Sousa Mendes. Exatamente pelo valor moral que a sua história transmite e não pela sua relevância nacional. Tem de haver uma justificação política, cultural ou histórica que nos leva a juntar Eusébio a tão curta lista de "deuses". É que, para além dos cenotáfios de figuras a que ele nunca se poderia comparar, quase só existem escritores e Presidentes no Panteão.

 

Houve justificação para lá pôr Óscar Carmona e Sidónio Pais. Erradas, do meu ponto de vista. Mas corresponderam ao olhar que o poder político de então tinha da Nação e queria passar para o povo. Houve outra justificação para lá ter Humberto Delgado, que não era escritor nem foi Presidente. Correspondia a um gesto de justiça contra uma fraude eleitoral e uma homenagem aos que combateram a ditadura. Até a presença de Amália, muito mais discutível, pode ser defendida pela ponte que conseguiu fazer entre a cultura erudita e a cultura popular tradicional, juntando o fado a grandes escritores. Sem reduzir a sua grandeza como futebolista, a trasladação de Eusébio parece-me corresponder a um outro critério: o da popularidade. Dirão que é o critério democrático. Eu respondo que a coisa é mais complicada. A popularidade é fugaz (mesmo que dure décadas), enquanto as representações de supostos "valores nacionais", em democracia e fora dela, pelo menos aspiram a ser perenes.

 

O equívoco está bem representado na afirmação de Mozer, ao comparar Eusébio a Nelson Mandela. Mandela é um marco na história duma nação. Representa valores facilmente identificáveis e que os sul-africanos querem que subsistam muito tempo depois da sua morte: a começar pela igualdade e pela liberdade. Eusébio, no papel que desempenhou na sociedade portuguesa, não corresponde a nenhum dos valores centrais que nos dão o sentimento de pertença a uma comunidade. Deu-nos alegrias, não nos deu a liberdade nem mudou a nossa história. O paralelo entre os dois é fácil de identificar: morreram no último mês e os funerais tiveram direito a grande cobertura mediática. Este é o tempo e o modo em que a memória coletiva hoje trabalha.

 

É obviamente discutível o meu ponto de vista sobre a ida de Eusébio para o Panteão. Há dezenas de argumentos contrários a estes e igualmente aceitáveis. Só que, quer estes quer os opostos, quando estamos a falar da fixação da imagem que queremos ter do nosso próprio País, exigem tempo de maturação (que dará distanciamento, não obrigatoriamente objetividade). Por isso, tal como recordou Henrique Monteiro, se exigiam cinco anos de espera para tomar esta decisão. E foi mudado para um ano, por causa de Amália. E agora já se quer tomar a decisão da trasladação uns dias depois do corpo de Eusébio ter sido enterrado. E aposto que tal decisão será tomada brevemente. E por unanimidade. Porquê? Porque estas são as regras da democracia mediática. Sendo democrático, o poder deve corresponder às aspirações populares. Estando todos os acontecimentos expostos a uma enorme atenção mediática, e, nestes casos, envolvidas por uma enorme exaltação emocional, tudo deve acontecer imediatamente. O melhor resumo do imediatismo e da confusão entre democracia e mediocracia é a campanha iniciada ontem pelo "Correio da Manhã", com o sugestivo mote "Eusébio ao Panteão, já!"  

 

Quantas vezes ouvimos na televisão que estamos a assistir a um acontecimento histórico? Quase todos os dias. E essa é a dificuldade que temos: como podemos fixar momentos da nossa história se cada momento nos é apresentado como único e fundamental? É impossível avaliar da relevância dum momento ou dos valores que associamos a uma determinada figura histórica sem tempo de recuo. E sem tempo, sobra a popularidade e a comoção. Que muda todos os dias. É assim o tempo do espetáculo. Tudo imediato, tudo sem peso, sem conta e sem medida.

 

As questões que se levantam com este encurtar de tempo para, à pressa, os políticos quererem corresponder à vontade de dar a Eusébio o máximo de todos os elogios fúnebres, é bem mais interessante do que o caso em si próprio. E leva-nos a perguntar se é possível, num tempo sempre tão acelerado, manter as liturgias oficiais necessárias para a construção e preservação duma "identidade nacional". Se essas liturgias não exigem uma de duas coisas: ou um poder político elitista que se recusa a ceder aos humores populares, ou um ritmo lento que transforma esses humores em convicções firmes e legitimas dum povo.

 

As respostas são dadas pelos dois únicos contemporâneos da democracia que terão lugar no Panteão: Amália e Eusébio. Que foram, eles próprios, independentemente da sua vontade, ícones nacionais durante o Estado Novo. O que levou a algum entusiasmo do bispo de Beja , que acrescentou Fátima para completar os três principais elementos da nossa identidade, sendo talvez excessivamente lesto na reabilitação dos três F's.

 

Talvez a democracia, que tem por natureza menos instrumentos para impor a sua própria mitologia, não se preste muito a este tipo de heróis. E, por essa incapacidade, herdou da ditadura os dois únicos símbolos que, por pessoalmente nada terem a ver com ela, podiam ter sobrevivido à mudança de regime. De resto, parece-me que o templo de todos os deuses vai deixar de ser um Panteão tutelado pelo poder político. Talvez seja no facebook.

 

 

Publicado no Expresso Online


por Daniel Oliveira
link do post | comentar | partilhar

37 comentários:
Fado,

Repara:
" A política que eu defendo é a (democracia), e na parte económica o liberalismo. "

A Bimba tambem.

" No nosso caso (Portugal) também defendo que era necessário rasgar esta Constituição e fazer uma completamente nova e moderna que não podia ter mais do dez ou vinte artigos."

A Bimba tambem.

"Obvio que o socialismo, as comissões de trabalhadores e as greves selvagens ia tudo borda fora"

A Bimba faria o mesmo

" E portanto.."

És a Bimba em todo o seu explendor


 

deixado a 9/1/14 às 22:41
link | responder a comentário | início da discussão

Comentar post

pesquisa
 
TV Arrastão
Inquérito
Outras leituras
Outras leituras
Subscrever


RSSPosts via RSS Sapo

RSSPosts via feedburner (temp/ indisponível)

RSSComentários

arquivos
2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


Contador