Segunda-feira, 15 de Março de 2010
por João Rodrigues




Vários estudos mostram que quanto maior é a desigualdade de rendimentos, maior é o peso da população prisional e mais intensos são outros problemas sociais. Grandes oportunidades de negócio à vista. Peguem então num país já de si desigual. Fragilizem, com planos ditos de estabilidade, o seu fraco Estado social e o que resta das regras que protegem uma parte dos trabalhadores e dos grupos sociais mais vulneráveis.

Do subsídio de desemprego ao pagamento de horas extraordinárias, passando pelo rendimento social de inserção, ainda há muito que erodir. Já está? Muito bem. Um novo aumento do desemprego e da precariedade, que se segue à contracção da procura popular, ajuda a esfarelar solidariedades e a reduzir custos salariais. É violento e dá uma trabalheira política, bem sei, mas têm de convir que a luta de classes que precede os vossos negócios nunca foi um chá dançante.

Arranjem bodes expiatórios; dos imigrantes aos pobres, passando pelos funcionários públicos ou pelos sindicatos. Estes últimos são perfeitos para a intervenção de alguns intelectuais públicos que servem de vossos idiotas úteis. Aliás, não se esqueçam de os contratar para estarem sempre na televisão, num monólogo de economia do choque e do pavor.

O resto da minha crónica no i pode ser lido aqui.

por João Rodrigues
link do post | comentar | partilhar

39 comentários:
É claro que a população prisional não depende só do nível de criminalidade, mas também da dureza das penas. Wilkinson reconhece isto mesmo, mas o facto é que também há uma correlação directa muito forte entre desigualdade e criminalidade.

Há também uma correlação forte entre a dureza das penas e a falta de confiança das pessoas - mas não, curiosamente, entre a dureza das penas e os níveis de criminalidade.

deixado a 15/3/10 às 17:11
link | responder a comentário

Wyrm
António Cunha, leu o texto?
Se calhar não era preciso aumentar o salário mínimo nem os beneficios.

Bastava cobrar todos os impostos que os nossos empresários devem ao estado.

deixado a 15/3/10 às 13:50
link | responder a comentário

xuxu
Nuno Cruz,

Bem dito. A visão de classe _estrita_, a preto e branco, bons versus maus é uma catástrofe analítica e prática.

deixado a 15/3/10 às 13:03
link | responder a comentário

Flanger
O Canadá tem sensivelmente o mesmo grau de desigualdade de rendimentos da Grécia. Todavia, por cada 100 mil habitantes, enquanto a Grécia tem pouco mais de 20 prisioneiros o Canada tem quase 150!!!

deixado a 15/3/10 às 13:00
link | responder a comentário

João Rodrigues:

Quando vi o gráfico com que ilustra este artigo, pensei que seria bom afixá-lo em ponto grande nos átrios de todas as Faculdades de Economia. Mas depois reconsiderei: será que a maior parte dos alunos sabem ler um gráfico?

deixado a 15/3/10 às 12:39
link | responder a comentário

inobill:

O seu argumento não invalida o do João Rodrigues, só o reforça. Desigualdade de rendimentos = desigualdade de poder = desigualdade perante a lei.

deixado a 15/3/10 às 12:35
link | responder a comentário

Nuno Cruz António
Meus caros Senhores,
Alguns comentários proferidos tanto neste blogue como em blogues situados noutros extremos ideológicos levam-me a perguntar em que mundo vivem. Tanto JR como o Mário acreditam realmente que o nosso país é realmente assim, preto no branco? Todos os empresários têm comportamentos reprováveis e todos os trabalhadores são vítimas que deverão ser protegidas?

Vocês não se dão conta que este tipo de intervenções nada serve para ajudar a termos um país mais justo e com maior desenvolvimento económico. O fenómeno (real) que vocês referem ocorre para uma fracção das nossas empresas, que são os grandes grupos económicos que vivem, juntamente com o Estado, de actividades puramente rentistas tirando delas montantes perfeitamente obscenos.

A nossa grande guerra deveria ser contra TODO o tipo de rentismo que existe em Portugal e que envenena e inviabiliza a nossa economia. As privatizações realizadas através de venda de bens do Estado abaixo do real valor É RENTISMO. A atribuição de contratos a privados com o risco do lado do Estado, constituindo um renda na prática, É RENTISMO. A manutenção de "direitos adquiridos" por parte de alguns funcionários do Estado, prejudicando as gerações mais jovens à procura de emprego É RENTISMO. O enriquecimento de especuladores imobiliários por decreto administrativo de alvarás de construção É RENTISMO.

Acordem, por favor, meus senhores. A nossa principal intervenção como cidadãos deveria ser entre nós (PARASITADOS) e os rentistas (PARASITAS) deste país. E eles andam por todo o lado, governo, empresas, funcionários públicos, parcerias publico-privadas, observatórios, etc.

O João Rodrigues é uma pessoa muito inteligente e com uma excelente capacidade de análise. Use o seu enorme conhecimento e capacidade de expor as ideia nesse sentido. É um pedido que lhe faço.

Aceite os meus cumprimentos,
Nuno Antonio

deixado a 15/3/10 às 11:47
link | responder a comentário

inobill
Isso estará muito bem pensado, mas há apenas um problema.
É que verificando os ditos números nas prisões, verificamos que na sua grande maioria são os tais "bodes expiatórios" de que fala.
O J.R. pode ser um grande teórico, mas a realidade prega-lhe grandes partidas!

deixado a 15/3/10 às 11:22
link | responder a comentário

Antonio Cunha
Aumento do Ordenado minimo para 1000 € já, e triplicação de todos os subsídios.

deixado a 15/3/10 às 11:21
link | responder a comentário

Eu que nem sou de graxas só tenho a dizer que o João é de facto uma muito boa contratação para este blogue.
É que é um mimo ler os seus artigos.
E tenho uma a acrescentar: a tal mobilidade no emprego. Um colega meu quer sair duma empresa porque arranjou emprego noutra mas tem de dar 60 dias à empresa onde está!!! Claro que a o futuro empregador disse que esse prazo de espera não era aceitável...
Quando o povinho compreender que para se ter uma sociedade controlada se começa por cortar as suas já de si parcas regalias profissionais então será hora de se começarem a mexer e pararem de criticar quem faz greves e luta pelos seus direitos.
Da zona Euro somos o país com maior desigualdade salarial e social. Aumentam as vendas de carros topo de gama e casas em condomínios privados. Estamos a caminho da "colombização" do país. Qualquer dia há aqueles que vivem em super fortalezas e o resto que vive para lá das muralhas. Os lacaios do capitalismo. O que esta gente não compreende é que desde sempre as classes empresariais tudo farão para haver uma massa imensa de população precária para que possa ser explorada através de mão-de-obra barata. Toda esta crise internacional em vez de forçar a regulamentar e efectivamente fiscalizar os mercados deu azo a haver um reforço das empresas especuladoras e agências de "rating" que cada vez mais controlam um imenso submundo do capitalismo selvagem.
A democracia será retomada dentro de momentos...

deixado a 15/3/10 às 11:11
link | responder a comentário

Comentar post

pesquisa
 
TV Arrastão
Inquérito
Outras leituras
Outras leituras
Subscrever


RSSPosts via RSS Sapo

RSSPosts via feedburner (temp/ indisponível)

RSSComentários

arquivos
2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


Contador