Segunda-feira, 16 de Junho de 2008
por Daniel Oliveira
As ameaças de alguns líderes europeus à Irlanda são tão anti-democráticas como de costume: ou votam de outra forma e corrigem o "erro" ou desamparam a loja. Façam referendos em todos os países e suspeito que metade dos membros têm de sair da União. Querem ultrapassar a crise sigam o caminho democrático e claro: ou um Parlamento Constituinte ou um tratado que não seja, na realidade, constitucional.

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | partilhar

20 comentários:
Patricia
Se o não fosse da França ou da Alemanha para eles era realmente o fim do tratado.Mas um não da Irlanda é outra conversa.

deixado a 16/6/08 às 14:47
link | responder a comentário

-Que dirá Gordon Brown se Mugabe mandar repetir as eleições?

deixado a 16/6/08 às 14:53
link | responder a comentário

Mas é esse exactamente o caminho, ou vc quer amarrar alguns ao voto dos que nada querem?Convém ser coerente para não ser pasto das aves de rapina.
Quem quizer seguir os americanos, as igrejas fundamentalistas, faça o favor!
Os que se querem separar duma Europa capaz de reformular os equilibrios militaristas, estejam à vontade!
Podem perfeitamente seguir as escolas neo-conservadoras americanas e inglesas.
Vc também !!!
Não sou eu que desejo vê-lo no mesmo projecto em que acredito!
Ou acomodar-se à mais tosca igreja católica do continente. Nem o Papa é tão reccionário!
O que lamento é ver gente que se diz de esquerda (?) a atravessar tais desertos de ideias !!!
MFerrer
http://homem-ao-mar.blogspot.com

deixado a 16/6/08 às 15:01
link | responder a comentário

Bang Bang
Assim está bem. O Daniel não se limita a dizer Não, propõe também uma alternativa. E uma alternativa que faz todo o sentido, diga-se.

deixado a 16/6/08 às 16:23
link | responder a comentário

anonimo
É verdade, o não da frança e alemanha era tremendo e não se fazia nada sem elas, mas isso acontece sempre que um elemento é essencial quer pela sua força, dinamica, ou espaço geografico central que ocupa que é imenso e que não se pode contornar quer poltica quer economicamente, mas com elas pode se fazer tudo essa é uma verdade incontornavel.

Os defensdores do não dizem não, e isso basta-lhes mas não avançam com soluções ou razões para o estado politico da europa que não sejam de ordem economico social para o seu não, é essa a argumentação, não avançam com nenhuma ideia nova em relação a ciência politica de organização e conceito de estados, ou então preferem deixar ficar tudo na mesma, cada um falando para seu lado e sempre em negociações permanentes e nunca tendo uma voz definida, Diz-se falta de Democracia, esta é boa, as pessoas são as primeiras a alhear-se da politica e depois vem acusar de falta de democracia. Há referendos sobre regionalização, metade vai passear e o dever civico fica para as calendas, há referendo sobre o aborto igualmente, passa com os votos dos directamente interessados mais coisa menos coisa, ha eleiçoes europeias as abstenções são enormes,na irlanda também isso aconteceu, e depois queixam-se da falta de democracia e do empenho dos politicos como se estes quando fazem as negociaçoes, estas não tenham sido mais que publicitadas, comentadas nas tv´s, nos meios de comunicação social publicados os resultados etc. so lhes faltava fazer como nos hipers continente ou feira nova encher as caixas de correio para as pessoas não poder dizer que não são informadas.

É preciso não perceber nada do que se esta a passar na europa e para que direcção se aponta politicamente.

Ha aqui quem não veja mais nada na europa que não seja uma coisa economica e social, a europa é so isso, o modelo deles da europa é economico não polllitico o que muitos querem não é uma europa politica com uma constituição politica e orgãos politicos eleitos, mas uma constiuição economica da europa. Dai os medos dos liberalismos, neoliberalismo, etc etc etc. Em portugal pos 25 abril também tivemos uma constituição politica e economica esta foi sendo modificada conforme as conjunturas, mas a politica na sua base democrática pluralista e respeitadora da dignidade da pessoa humana não sofreu grandes alteraçoes.

Uma europa que começou a 6 passou a 12 tinha um aspecto geografico limitado e restringia-se a nivel de desenvolvimento e trocas comerciais e circulação de pessoas e bens. Com os consequentes alargamentos o espaço geografico continental europeu mais ou menos se foi preenchendo e isso passou a pesar e a exigir uma orientação politica.

Foram criados orgãos como parlamento, comissão, banco central, moeda etc. mas a todos estes orgãos falta-lhe uma organização politica de unicidade correspondente, por isso foi-se criando tratados mas não bastam tratados para definir uma união de estados, uma federação, é preciso um tratado fundador que crie uma organização politica e isso os europeus não querem ver, mas a perspectiva inversa eu penso que será bem mais problemática e sem grande futuro, só criará instabilidade, incerteza, e sabe-se la mais o que.

Como dizem os americanos gozando com o pagode europeu, se o presidente americano precisar falar com o presidente europeu para onde liga.

deixado a 16/6/08 às 16:59
link | responder a comentário

Há textos que eu gostava de ter escrito.
Não escrevi, paciência, subscrevo:

Estava na Alemanha quando os irlandeses disseram NÃO à Europa. Seria pleonástico insistir nas razões que determinaram esse desfecho. Conduzida pela extrema-direita e outros sectores conservadores da sociedade irlandesa, a campanha do NÃO privilegiou três espantalhos: o fim da neutralidade militar, a imposição do aborto e os casamentos entre pessoas do mesmo sexo. Salvo o primeiro (uma possibilidade real), os outros são hipóteses virtuais. Seja como for, a Europa dos 27, ou seja, 490 milhões de pessoas, não pode ficar refém das idiossincrasias de 862 mil eleitores. Bem vistas as coisas, a culpa não é inteiramente dela. As cabecinhas que impuseram a obrigatoriedade da ratificação a 27, deviam ter pensado na eventualidade de percalços. Agora está feito. E seria um contra-senso manter o país como membro. A Irlanda deve ir à sua vidinha. Tão simples como isto.

Está aqui
http://daliteratura.blogspot.com/2008/06/o-no-irlands.html#links

Infelizmente o dono não autoriza comentários.

deixado a 16/6/08 às 17:11
link | responder a comentário

consta que o não da Irlanda afinal f... os planos todos do Barrosão e Bilderbergs... pois os ingleses já querem referendo e os franceses parece que tb...

Estes europeus dum raio gostam (e querem!)exprimir a sua opinião. Ora bolas! Entornou-se o caldo...

http://criticademusica.blogspot.com/

deixado a 16/6/08 às 17:12
link | responder a comentário

Não vejo o que é que têm de anti-democrático as sugestões (por ora não vamos além disto) no sentido de a Irlanda se auto-excluir da União Europeia. Foram os irlandeses que tomaram a decisão do "não" é a eles que cabe a responsabilidade de tirarem daí as ilações e estas só podem, logicamente, ir nesse sentido. Na verdade, se não concordam com o novo Tratado que os demais países da União aceitam (não discuto agora se a forma de ratificação é a mais adequada) parece lógico que a auto-exclusão é a solução a tomar. É que, além do mais e salvo o devido respeito, anti-democrático parece-me ser o querer que a opinião de umas centenas de milhares de irlandeses se imponha a centenas de milhões de europeus. Ubi commoda ibi incommoda, já diziam os romanos. Os irlandeses, por boas ou más razões (julgo que más) tomaram livremente a sua decisão e estavam e estão no seu direito, mas parece-me que já não é direito deles que a sua decisão tenha que ser imposta aos outros europeus.

deixado a 17/6/08 às 00:15
link | responder a comentário

luis m. jorge
De facto, é estranho que os governos não percebam que a sua indiferença pela vontade dos eleitores só pode originar uma revolta cada vez maior: a partir de agora é bem provável que qualquer consulta semelhante venha a ter sempre um resultado negativo.

Também é verdade que a crise institucional não se resolve facilmente. Alterar a unanimidade a 27 significaria que os Estados derrotados aceitavam abdicar antecipadamente de uma parte da sua soberania. (Em vez de abdicarem a posteriori, com o documento já formulado)

Há, é claro, uma terceira alternativa — a evolução por camadas, como ocorreu em Inglaterra ou em Veneza: aí, os orgãos acumulam-se sem nunca substituirem os anteriores, e trocam responsabilidades ao sabor dos séculos.

Nessa perspectiva, não haveria uma reforma global mas antes a criação paulatina de mais um ou outro órgão para acudir a problemas concretos. É um método que desperdiça imenso dinheiro, mas talvez seja o único.

deixado a 17/6/08 às 02:04
link | responder a comentário

Laurens
A Europa como um grande estado soberano e uma potencia mundial cada vez parece mais sonho que realidade.Muitos dos cidadãos quer de direita ou de esquerda, por razões diferentes, parecem preferir que outros, se não a Europa, dominem os seus próprios países.

deixado a 17/6/08 às 02:09
link | responder a comentário

Comentar post

pesquisa
 
TV Arrastão
Inquérito
Outras leituras
Outras leituras
Subscrever


RSSPosts via RSS Sapo

RSSPosts via feedburner (temp/ indisponível)

RSSComentários

arquivos
2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


Contador