Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Arrastão: Os suspeitos do costume.

Levantem-se as dezenas de milhares de réus (actualização)

Daniel Oliveira, 31.07.08
«A juíza Ana Gabriela Freitas, do Tribunal de Felgueiras, proferiu ontem uma sentença em que considera que a comunidade cigana tem um estilo de vida com "pouca higiene", é "traiçoeira" e "subsídio-dependente". "Pessoas mal vistas socialmente, marginais, traiçoeiras, integralmente subsídio-dependentes de um Estado a quem pagam desobedecendo e atentando contra a integridade física e moral dos seus agentes".» No levantamento sócio-económico da vida dos arguidos, Ana Gabriela Freitas escreveu no processo que as condições habitacionais "são fracas, não por força do espaço físico em si, mas pelo estilo de vida da sua etnia (pouca higiene)". Ana Gabriela Freitas salientou ainda não se vislumbrar "a menor razão para acolher a rábula da 'perseguição e vitimização dos ciganos, coitadinhos!".

Na sentença a cinco elementos de etnia cigana a juíza resolveu colocar no banco dos réus milhares de pessoas. Quando temos uma juíza que deve zelar pelo direito e pela justiça a fazer julgamentos colectivos de toda uma comunidade podemos ficar descansados quanto ao estado do nosso Estado de Direito. Esta senhora, que deve aplicar a lei, violou o Decreto-Lei n.º 111/2000 que proíbe «a adopção de acto em que, publicamente ou com intenção de ampla divulgação, pessoa singular ou colectiva emita uma declaração ou transmita uma informação em virtude da qual um grupo de pessoas seja ameaçado, insultado ou aviltado por motivos de discriminação racial.» Não concorda com a lei? Tem todo o direito. Mas tem de a cumprir. E sendo juíza tem de a cumprir de forma escrupulosa e exemplar.

Vale a pena ler os comentários às várias notícias nos vários jornais e alguns links feitos por blogues à notícia do público. Não paira um ambiente de delírio racista neste país? Claro que não!

PS: Esta juíza já deu que falar no caso de Fátima Felgueiras.

A Alta-Comissária para a Imigração e o Diálogo Intercultural (ACIDI), Rosário Farmhouse, recuou na intenção de apresentar uma queixa ao Conselho Superior da Magistratura por causa de uma sentença de uma juíza de Felgueiras que alegadamente ofendia a comunidade cigana. Depois de ter lido o documento>, Farmhouse constatou que a magistrada citava testemunhas que falaram no decorrer no processo

Pena que o jornalismo português seja pouco rigoroso.

114 comentários

Comentar post

Pág. 1/12