Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Arrastão: Os suspeitos do costume.

A morte da Europa

Daniel Oliveira, 19.11.10


Hoje, na cimeira da NATO, uma das chaves centrais de todo o xadrez estratégico é a Turquia. Pela sua posição geográfica, pela sua relação com o Médio Oriente e os países islâmicos, pelo seu crescente poder económico e militar. E não nos podemos deixar de lembrar que a este colosso, que daria à Europa um extraordinário poder internacional, foi negada a entrada na União. Como um clube elitista e decadente, por razões mesquinhas, fez-se de caro quando não podia.

E olhamos para a patética situação actual da Europa, para este seu suicídio económico, para os egoísmos nacionais que a matam como projecto político, para a construção de uma moeda feita de pernas para o ar, para a escolha de Durão Barroso como seu líder, apenas porque é suficientemente irrelevante para não fazer sombra ao ego de nenhum dos líderes das maiores potências, para a incapacidade de dar passos para um governo europeu, deixando sempre tudo a meio, e percebemos como tudo isto não passa de um equívoco.

Julgámos, por quase meio século, que o que veio a ser a União Europeia concretizava um sonho que parecia quase impossível. Em parte conseguiu-se. Tantos anos de paz não é coisa pouca. Mas no momento da verdade a Europa emperrou. Embrenhada nas suas contradições, incapaz de reagir quando a história se encontrou com ela, é hoje um doente em estado terminal. E não falta muito para podermos decretar a sua morte. Como mercado único, como poder geoestratégico, como projecto político, como pólo civilizacional, mas, acima de tudo, como ideia democrática.

Não há Europa porque demasiado líderes fracos a mataram. Dela, pouco podemos esperar para alem do cálculos eleitorais de dirigentes nacionais e a cobardia de burocratas sem dimensão política. A Europa perdeu o rumo, perdeu o seu modelo social e perdeu os europeus. Só lhe falta mesmo perder a pompa que a faz olhar de cima para os turcos. O que eles se devem estar a rir de nós. Livraram-se de boa.

Publicado no Expresso Online

69 comentários

Comentar post

Pág. 1/7