Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Arrastão: Os suspeitos do costume.

Pluralismo

João Rodrigues, 30.11.10

O Prós e Contras de ontem confirmou uma ideia: o pluralismo democrático no debate económico-político, que o serviço público tem por função garantir, não é bom para quem gosta de medina-carreirar. É óbvio que não estamos condenados ao plano inclinado.

6 comentários

  • Sem imagem de perfil

    joaquim azevedo 30.11.2010

    Caro PedroM, comece por aqui se não se importa. E diga quantas vezes já viu o sr dr Medina preocupado com esta temática.

    "A economia não declarada ascende, em Portugal, a perto de 30 mil milhões de euros, o que corresponde a cerca de 23% do PIB. O valor não pára de aumentar e tende a crescer com a crise."

    Pode ler mais neste link: http://dn.sapo.pt/inicio/economia/interior.aspx?content_id=1585126

    Sabe, PedroM, não consta que sejam os trabalhadores por conta de outrém a falcatruar as declarações de rendimentos ao fisco, mas alguém há-de ser. Você, que tão bem conhece a economia nacional, há-de ter seguramente alguma informação que nos ajude a perceber esta gatunagem (oops!), desculpe, variável, era isto que eu queria dizer - variável económico-financeira.
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 30.11.2010

    joaquim,
    Gatunagem sim, sem dúvida, mas infelizmente em muitas actividades industriais, a fuga ao fisco é a unica forma de sobreviver face á concorrencia Asiática. Acabar com essa fuga sem alterar algumas regras significava atirar largos milhares de pessoas para o desemprego.
  • Sem imagem de perfil

    joaquim azevedo 30.11.2010

    Percebido, Anónimo, a culpa é dos chinocas, esses bandidos de olhos em bico. Não fossem eles e isto seria o Paraíso. Infelizmente, e dado que Deus os colocou neste Mundo, os empresário portugueses têm de vigarizar os seus concidadãos. Definitivamente, Deus é injusto.
  • Sem imagem de perfil

    PedroM 01.12.2010

    "Infelizmente, e dado que Deus os colocou neste Mundo, os empresário portugueses têm de vigarizar os seus concidadãos"
    Como os empresários chineses fazem aos seus concidadãos? É com eles (entre outras novas economias) que concorremos, certo? É que infelizmente não é com a Alemanha.
  • Sem imagem de perfil

    joaquim azevedo 01.12.2010

    Caro PedroM, na minha modesta opinião, Portugal concorre com todas as economias. Aliás, sempre foi assim - todos os países concorrem com todos os outros. Ou não?
    Eu nem sei bem o que significa esse conceito de "novas economias", mas você há-de esclarecer-me.
  • Comentar:

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.