Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Arrastão: Os suspeitos do costume.

Quando é que esta gente descansa?

João Rodrigues, 30.11.10

BCE, FMI e Comissão Europeia com a mesma cassete neoliberal: “reformar o mercado de trabalho”. O que é isto? Luta de classes à escala europeia; desculpem, mas não tenho melhor expressão: reduzir os custos do despedimento, fragilizar ainda mais a contratação colectiva e afunilar o subsídio de desemprego para que a economia do medo alastre, para que a insegurança laboral se intensifique. O objectivo principal é tornar estrutural a lógica conjuntural das políticas orçamentais de austeridade, ou seja, reduzir permanentemente os salários directos e indirectos, no público e no privado, que isto está tudo ligado. O aumento das desigualdades é outro dos efeitos/objectivos. Segue-se o apelo ao incumprimento do acordo sobre o salário mínimo? A crise e o desemprego continuam sem solução, claro. Isso pressupunha mudar a configuração institucional europeia para termos políticas de investimento, de estimulo económico. O aumento generalizado do desemprego é o resultado da crise do capitalismo financerizado e as economias que aguentaram melhor o embate, em termos de emprego, parecem ser precisamente as que têm regras laborais que distribuem os direitos e as obrigações de forma mais favorável a quem trabalha. Na realidade, a crise é usada como pretexto para todas as regressões, para a consolidação de todas as utopias liberais. Questão de poder. Esta gente só descansa quando tivermos todos regressado a 1906, a um anúncio que estava afixado numa fábrica da Renault: “Os operários podem despedir-se avisando o encarregado com uma hora de antecedência. A Casa, por sua vez, pode despedir os operários sem indemnização, avisando-os o encarregado com uma hora de antecedência.”

14 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Neo Liberal 01.12.2010

    Eu só descanso quando a pandilha do BE e do PC forem para a Coreia do Norte e para a querida Albânia, visto que odeiam esta Europa de Neoliberais,aliás não os vi a manifestarem-se contra o neo liberal Fidel Castro que mandou 500 mil funcionários públicos para o olho da rua,e ainda dizem que estes esquerdóides são social democratas,o Stalin também foi social democrata russo antes da revolução bolchevique, flexibilizem já o mercado de trabalho para ver se os 20% de cambada que vota nesta pandilha faz as malas e abandona o país e vão lá para os seus paraísos socialistas.
  • Sem imagem de perfil

    "Pirralha...eu?" 01.12.2010

    Neo Liberal


    Também concordo contigo, seguindo o lema de tratar os clones da mesma forma.


    E sou ainda mais solidária ao verificar que foste miseravelmente copiado e adulterado.


    Eu sou testemunha que o Saramago fez uma fortuna com os livros que escreveu e até ganhou um Nobel da Literatura, imitando o teu estilo de escrita.


    Pior do que isso, pegou nas tuas ideias e inverteu-as…


    Vá lá, continua com os pesadelos que não te deixam descansar, mas não disfarces com as malas da pandilha.


    O teu sonho clonístico é vê-los atrás das grades ou, ainda melhor, com um tiro na nuca.


    Cristina

  • Sem imagem de perfil

    Neo Liberal 01.12.2010

    Cara amiga, não é preciso partir para o insulto quando temos ideias diferentes,eu não tenho o dom de ser um erudito,sou apenas um reles membro da populaça que não tem curso académico para discutir com estes sábios de Coimbra, mas pelos vistos você considera que eu devo ser um ignorante porque atrevo-me a dizer que flexibilizar as leis laborais não é coisa de neo liberais,o nosso mercado de trabalho simplesmente não funciona,é uma opinião de alguém que já teve uma pequena empresa e tem familiares no Reino Unido porque nesta aberração de país não existe cultura empresarial,não precisa de insultar,peço desculpa se fui demasiado duro a referir-me á quantidade de pessoas que votam nestes partidos mas deixe lá é que pelos vistos para si quem não é de esquerda é um troglodita.
  • Sem imagem de perfil

    "Pirralha...eu?" 02.12.2010


    Neo Liberal


    Continuo a concordar contigo e até te manifesto a minha solidariedade.


    Quando acabar esta resposta, vou falar com essa Cristina, a qual conheço bem e até sei onde mora e perguntar-lhe que modos são esses de tratar uma pessoa tão delicada como tu.


    Vou dizer-lhe na cara que expressões como atrasados mentais, totós, pandilha e cambada não constituem insultos, nem são demasiado duras.


    No dicionário neo-liberalês são manifestações de simpatia e carinho em relação a cerca de 20% dos eleitores Portugueses.


    Eu não gosto de generalizações e por isso, não chamo trogloditas a todos os eleitores que não são de esquerda.


    Faço-o individualmente e tu és um desses casos.


    Mas atenção, porque no dicionário neo-esquerdóide, isto significa o desejo de que possas chegar ao estádio seguinte, quanto mais não seja para veres o jogo.


    Tenho a certeza que, neste aspecto, a minha “cara amiga” Cristina concorda comigo…


    Cristina…eu


     


     


     


  • Sem imagem de perfil

    Neo Liberal 03.12.2010

    Olhe peço imensa desculpa se ficou ofendida comigo,eu não a conheço pessoalmente e se ficou ofendida com as minhas expressões peço imensa desculpa,apenas utilizei aquelas expressões para manifestar o meu desagrado com os eleitores de esquerda que passam a vida a queixar-se do que se passa no país mas não oferecem nenhuma solução credível e alternativa,lamento imenso se ficou ofendida com as minhas expressões e reconheço que talvez tenha utilizado expressões insultuosas para quem é de esquerda, mas tenho a humildade suficiente para pedir desculpa,o que não parece ser o seu caso.
  • Sem imagem de perfil

    "Pirralha...eu?" 03.12.2010

    Neo Liberal

    O que digo aqui é exactamente o que diria na cara das pessoas se estivesse a falar com elas pessoalmente.

    Os meus insultos colectivos são dirigidos aos muitos responsáveis pela situação miserável em que nos encontramos e nunca a quem os elegeu.

    Quanto aos individuais, já me aconteceu de tudo e hoje, até troco comentários irónicos com algumas dessas pessoas, sem que houvesse necessidade de um pedido mútuo de desculpas.

    Considero isto como uma manifestação de humildade implícita, mas compreendo e respeito que haja sensibilidades diferentes.

    Por isso, peço-te desculpa por tudo aquilo em que te possa ter ofendido.

    Mas não penses que te safas da ironia, está bem?

    Cumprimentos

    "Pirralha...eu?"

    Cristina... eu

    Cristina


     
  • Sem imagem de perfil

    Neo Liberal 03.12.2010

    Não precisas de pedir desculpa, afinal quem insultou os 20% de eleitores que votam nos partidos de esquerda fui eu,apesar de eu ser de direita não tenho nada a ver com o PSD e o CDS porque eles fingem que são de direita mas não passam de um bando de socialistas que passam a vida a criticar este governo miserável mas quando estiveram no poder ainda aumentaram mais a despesa do que os socialistas,não existe nehum verdadeiro partido liberal nem democrata cristão em Portugal,só há socialismo para as clientelas partidárias e miséria para a populaça, quem vai ter de resolver os problemas de Portugal são os portugueses,os partidos que estão no parlamento não têm a mínima competência para fazê-lo.Em relação á tua desconfiança sobre tiros na nuca,fica tranquila porque eu não sou fascista nem revolucionário,sou democrata mas não me revejo em nenhum dos partidos que estão no Parlamento,muito menos sou de extrema direita,porque para mim o fascismo é socialismo nacionalista e xenófobo,e eu só quero um país com boas empresas e transparência fiscal e sustentabilidade orçamental,não quero mais sustentar este estado monstruoso e corrupto.

    Saudações liberais
  • Sem imagem de perfil

    "Pirralha...eu?" 03.12.2010

    Neo Liberal

    Como é evidente, temos pontos de vista diferentes e que no futuro podemos discutir calmamente.

    Em comum, até temos algumas coisas e entre elas o de dizer aqui o que nos vai na alma.

    Aquela do tiro na nuca foi uma boca indirecta, que tinha a ver com a outra dos clones.

    O que interessa é que nenhum de nós vai matar o outro e podes crer que fiquei sensibilizada com algumas coisas que disseste.

    Acho que, apesar de algum radicalismo na linguagem, somos humanistas e para não fugir à ironia, proponho-te um pacto:

    Vamos votar Fernando Nobre, passe a campanha eleitoral.

    Saudações esquerdalhas

    Cristina

  • Sem imagem de perfil

    Neo Liberal 03.12.2010

    Não sei se votarei Fernando Nobre apesar de achar que ele é uma boa pessoa,uma coisa é certa,em Cavaco Silva é que não voto de certeza,porque uma pessoa que finge que não é político,não gosta dos políticos apesar de andar por aí há mais de 30 anos,não gosta de discutir ideias e foi cumplice deste miserável governo,não merece a minha simpatia,apesar de eu não ser de esquerda nada mais me irrita do que pessoas que fingem que não são de esquerda nem de direita.
    Em relação ás tuas convições esquerdistas enfim,são as tuas,completamente antagónicas ás minhas,se houvesse um verdadeiro partido democrata cristão em Portugal com alguns pontos de convergência com o liberalismo clássico,não tenho dúvidas de que a economia portuguesa seria muito melhor,o Estado seria mais descentralizado e autónomo,e seria o Estado a servir os cidadãos e não os cidadãos a serem escravizados pelo Estado,mas enfim já fico contente que sejas humanista,pelo menos uma coisa em comum entre esquerdistas e liberais,é só pena aquela diferença em relação á propriedade privada,e já agora aquela pequena grande diferença em relação á colectivização,mas claro se tu acreditas numa sociedade sem classes quem sou eu para contrariar o teu pensamento,não vou tentar doutrinar-te porque pareces ser difícil de convencer,mas a determinação também é uma virtude,por isso ganhaste o meu respeito,mas lembra-te que quando tiveres ideias revolucionárias se apareceres em minha casa a dizer que a casa não é minha nem tua mas sim do povo,aí sim vamos chatear-nos um com o outro.

    Saudações liberais
  • Sem imagem de perfil

    "Pirralha...eu?" 04.12.2010

    Neo Liberal


    Gostei dessa piada da casa, mas podes estar descansado pois essa hipótese nunca esteve nos meus horizontes.


    Tomara eu que não cheguem à minha, dizendo que agora passa a ser da Caixa Geral de Depósitos, como tem acontecido a tantas pessoas.


    Sabes, as pandilhas que têm desgovernado este País às ordens da cambada do grande capital financeiro vão atirar com muito mais gente para situações desesperadas.


    Desejo que tenhamos mais ocasiões para conversar, porque vão surgir surpresas principalmente para quem vive numa sociedade de rótulos, mitos, dogmas, ideias feitas, etc…


    Olha, de uma esquerdalha sem religião para um democrata-cristão, órfão de um Partido que o represente, vou tentar a primeira surpresa:


    Eu adoptaria para já e na generalidade, a Doutrina Social da Igreja!


    Não adianto mais, porque para sacrilégio já chega esta afirmação e vamos ver se alguém me excomunga…


    Beijocas


    Cristina


     


     


     

  • Sem imagem de perfil

    Neo Liberal 04.12.2010

    E já agora continuando a nossa interessantíssima conversa,vou dizer-te que sim estou interessado em que tenhamos mais ocasiões para conversar,porque sinto que aí do outro lado está uma pessoa que não vive fechada em posições dogmáticas e limitadas,e ainda bem, porque depois daquele comentário irónico sobre a comparação da minha argumentação com a escrita do Saramago,lá fiquei eu a pensar que esta esquerda revolucionária é intratável e arrogante,mas não, sinto que está aí uma pessoa que consegue ver mais além do que os próprios preconceitos já interiorizados por uma certa esquerda.Em relação á Doutrina Social da Igreja não precisas de sentir vergonha em adoptá-la,mesmo não sendo crente,e não deixes que alguma esquerda te faça sentir como retrógada por acreditares nos seus principios,porque eles são justos e democráticos,além do mais a democracia cristã adopta os principios gerais da Doutrina Social da Igreja Católica mas também principios Luteranos,e se constatares os principais partidos democrata cristãos europeus são de matriz Luterana,já para não dizer que obviamente os países mais desenvolvidos da Europa são de matriz Luterana,e eu sou católico mas tenho grande respeito pelos Protestantes.
    Fica descansada que eu não estou a doutrinar-te e transforma a tua raiva com a situação não numa fúria revolucionária em que tens de destruir tudo o que existe,mas transforma isso numa energia positiva e evolucionária,em que tem de ser a sociedade civil a resolver os seus próprios problemas e não ficar á espera que os partidos que estão na Assembleia os resolvam por nós,vivemos numa sociedade livre e não vai ser nenhum burocrata seja ele de pseudo esquerda ou direita que vai decidir o que os Portugueses pensam.Por isso já sabes que quando ouvires aquelas conversas de chacha dos intelectualóides de esquerda a dizerem que tudo o que não é de esquerda é troglodita,ficas a saber que deste lado está um simples membro da populaça sem titulo académico que até tem umas ideias sobre o País e algumas reformas necessárias á economia de mercado sem regressar á economia do plano,porque neste momento aquilo que temos em Portugal é Capitalismo de Estado,além do facto de existirem várias formas de economia de mercado e não a tangarola que nos vendem todos os dias os economistas do regime.

    Beijos Liberais   
  • Sem imagem de perfil

    "Pirralha...eu?" 05.12.2010

    Neo Liberal


    Esta nossa conversa deve ter levantado interrogações no espírito de algumas pessoas que a tenham acompanhado.


    Tal como disse, teremos oportunidade de continuá-la em posts futuros, mas para concluir este deixa que transmita algumas impressões.


    Acho que estamos de acordo na rejeição das políticas seguidas no nosso País, cujos executantes máximos têm sido o PS e o PSD.


    Acho que a Doutrina Social da Igreja é um bom ponto inicial de convergência, mas eu vejo nela uma rejeição, pelo menos implícita, do sistema capitalista… e tu?


    Acho que greves e manifestações não são sinónimos de lutas violentas e portanto, até as poderemos adoptar juntos.


    Acho que de neo-liberal só tens o nick e tu lá saberás porque o adoptaste.


    Olha, de tanto achar já me perdi…


    Mentira, estava só a brincar e para terminar, recordo que durante anos se falou de um compromisso histórico.


    Foi em Itália e poderia ser celebrado entre os respectivos Partidos Comunista e Democrata-Cristão.


    Essa hipótese morreu com o brutal assassinato de Aldo Moro e hoje, é o que se vê.


     


    Beijocas esquerdalhas


     


    Cristina


     

  • Sem imagem de perfil

    Neo Liberal 06.12.2010

    Sim esta nossa conversa é muito misteriosa,não achas?Um tipo com o cognome de neo liberal aqui a discutir a Doutrina Social da Igreja e a ausência de Democracia Cristã com uma tenaz esquerdista revolucionária!Tens razão o nick neo liberal é propositado para te deixar com os nervos em franja,para ficares a pensar que epá se o tipo não é de esquerda só pode ser neo liberal,assim como para o Salazar quem não era do regime era comunista,ou para o camarada Vasco Gonçalves quem não estava com a revolução só podia estar com a reacção,enfim é a pobreza de país que temos!A Doutrina Social da Igreja rejeita a superioridade do Capital sobre o Trabalho,porque considera que o Trabalho é um dever fundamental do Homem aqui na Terra e por isso o Trabalho é superior a qualquer outro factor de produção,mas isso não significa que defenda a Ditadura do Proletariado,vimos bem o resultado que isso deu na União Soviética.O que tu tens de entender sobre a verdadeira Democracia Cristã é que ela defende que entre o Capital e o Trabalho tem de haver complementariedade,onde os trabalhadores devem participar na gestão e nos frutos do Capital,ou seja,devem contribuir para o bem comum da empresa,e os trabalhadores devem ter direitos sociais e de repouso para a sua família.
    "De nada vale o capital sem o trabalho,nem o trabalho sem o capital" (Pio Xi).
    Agora podes estar a pensar que este tipo só pode ser xoné e acredita que isso é possível em Portugal?
    Mas o que é que achas que existe na Auto Europa?
    Não participam os sindicatos dos trabalhadores da Auto Europa no bem comum da unidade de produção em Palmela?Mas lamento informar-te que se os trabalhadores tivessem seguido os conselhos da CGTP a Auto Europa hoje já não estava aqui,porque a CGTP é completamente imobilista e quando ouve falar em flexibilidade laboral quais jurássicos marxistas ortodoxos (não te enerves que não é para ti),vêm logo com o fantasma da exploração do grande capital sobre o trabalho.
    Não existe apenas um tipo de economia de mercado,há vários,mas isso também tem a ver com a visão política da sociedade onde se está inserido.
    Achas que os Suiços,Holandeses,Norueguese,Dinamarqueses,Alemães vivem pior do que nós porque estão num horrível sistema capitalista?Nesses países existe flexibilidade laboral,achas que vivem pior do que nós?
    O que acontece em Portugal é que se calhar ainda existem empresas com mentalidade de economia fechada e mão de obra pouco qualificada e mal remunerada,por isso é que só defendo maior flexibilidade se houver condições para aumentar os rendimentos mais baixos e as qualificações da mão de obra nas empresas onde se produz bens e serviços que nos queiram comprar,enfim a economia aberta e de mercado e não as empresas do regime que estão protegidas da concorrência internacional e que fixam os preços que querem ao consumidor.
    Espero que entendas que pelo facto de a economia no nosso país não funcionar bem isso não quer dizer que tem de se destruir tudo o que existe,é preciso que haja um visionário como eu a governar isto que de certeza que podia haver empresas mais democráticas,qualificadas e um Estado mais pequeno,democrático,eficiente e respeitador do dinheiro dos contribuintes,isto não é neo liberalismo,é democracia cristã com uma cultura de trabalho luterana se quiseres entender!

    Beijos!
  • Comentar:

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.