Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Arrastão: Os suspeitos do costume.

Um homem do povo

Sérgio Lavos, 14.01.11

 

O populismo quando nasce é para todos. E Cavaco, com a queda nas sondagens, também decidiu abocanhar a sua fatia. Pena é que o tenha feito recorrendo ao, como dizê-lo, enviesamento de classe. O homem que repete 30 vezes - 30 - a palavra "povo" num discurso apoia-se num mito que está muito distante da verdade, para não dizer que se baseia na pura mentira. Nasceu em Boliqueime, é certo, mas a Cavaco certamente não interessará que seja divulgado que a sua família pertencia à pequena burguesia rural, que os seus pais viviam do comércio de frutos secos e de combustíveis e eram proprietários num tempo e lugar em que poucos o conseguiam ser. "Vir do povo", no caso de Cavaco, significa ter conseguido prosseguir os estudos com a ajuda da riqueza familiar, significa ter sido excepção, privilegiado, numa época em que poucos, na sua aldeia, o eram. Mas que isso não impeça os spin doctors que lhe escrevem as falas de continuar a cavalgar a onda populista; a imprensa suave por cá continuará a não fazer um dos seus trabalho de casa: desmontar o discurso engenhoso e oportunista do "candidato do povo".

 

- Vídeo via Provas de Contacto -

5 comentários

  • Imagem de perfil

    Sérgio Lavos 15.01.2011

    A resposta à sua pergunta é: não. Não na acepção da palavra que o discurso populista de Cavaco quer dar. E essa é a grande questão. "Pobrezinho e indigente", como escreve, serão as duas "qualidades" que Cavaco quer passar ao dirigir-se ao "povo" - lá está - com um discurso populista. E o que é que o nível de literacia tem a ver com a classe a que os pais pertenciam? 
  • Sem imagem de perfil

    HG 15.01.2011

    Sérgio, se não associa os níveis de literacia com a capacidade económica e classe social no Portugal de há 60, 70 anos não sei que lhe diga.

    Duvido, sinceramente, que Cavaco queira passar a imagem de um antigo indigente ou pobrezinho, toda a gente sabe que ele não o foi. Nunca o ouvi queixar-se que passou fome. Mas não é isso que não o faz do "povo". Creio que ele quer reforçar o facto de ter sido criado num meio rural e humilde, de pessoas simples, com alguns privilégios como os que falou, mas sem tantos outros de quem sempre viveu na grande cidade. Claro que há aqui estratégia eleitoralista, mas não com a leitura que lhe faz. Francamente, acho que a sua questão não é questão.
  • Sem imagem de perfil

    Miguel Madeira 15.01.2011

    "Sérgio, se não associa os níveis de literacia com a capacidade económica e classe social no Portugal de há 60, 70 anos"

    A minha avó tem só a quarta classe (penso que a mesma formação do pai de Cavaco Silva) e pertencia a uma família de médios proprietários rurais (numa aldeia, aliás, vizinha de Boliqueime) - não me parece que isso só seja sirva para classificar a classe social de alguém.

    No caso de Teodoro Silva, um dos principais comerciantes de frutos secos da região nos anos 60, dono de uma bomba de gasolina e com empregados (creio que o pai do presidente da CM de Albufeira trabalhava para ele), creio que podemos facilmente classificá-lo como pequena ou até média burguesia.

    Agora, isso tudo depende do que entendermos por "povo" (dá-me a ideia que para alguns a questão é mais de ambiente cultural - "povo": meios rurais, pouca instrução formal; "elite": grande cidade, "doutores" - do que de estrato económico).
  • Sem imagem de perfil

    Ze de Fare 15.01.2011

    Critique-se Cavaco por aquilo que ele nunca deixou de ser. Um Neoliberal de armário que joga a pedra e esconde a mão. E quando fez governo governou-se a ele e aos amigos, todos eles de bem com a vida. Trabalho rural e praças de jorna são coisas que o velho Teodoro nunca soube o que eram.
  • Comentar:

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.