Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Arrastão: Os suspeitos do costume.

A maravilhosa mecânica do capitalismo

Sérgio Lavos, 30.03.11

Banco de Portugal empresta mil milhões ao FMI.

 

E daqui a uns tempos, o FMI irá, não ajudar Portugal, mas sim fazer um resgate que é, nas palavras de um colunista irlandês do The Independent, um adiar do problema para as gerações futuras. E um descalabro social sem precedentes. Curiosamente, a notícia linkada não refere qual a taxa de juro que o FMI irá pagar ao Banco de Portugal, e, depois de alguma pesquisa feita na Internet, não encontrei qualquer referência a essa parte da questão, e fiquei mesmo dúvida se será mesmo um empréstimo ou um financiamento directo, sem cobrança de juros (talvez o João Rodrigues possa explicar-me como funciona). Seja como for, resumindo, Portugal está a emprestar dinheiro a uma instituição para que esta possa emprestar de volta (daqui a pouco tempo, parece), com um juro que pode ir de 4.5 a 5%, e impondo condições que podem levar à absoluta destruição do tecido económico nacional. Maravilhoso. Ou sou eu que estou a ver mal o problema?

 

*Não reparei quando estava a escrever o post, e segui um link do Facebook, mas a notícia citada é de Dezembro de 2009. OK, uma notícia ultrapassada, e provavelmente os mil milhões já foram parar há muito aos cofres do FMI. Pois, parece que em 2009 estávamos em tempo de vacas gordas e que um compromisso da UE é para se levar a sério. Mas esperem, em 2009 o défice não estava já a crescer? A economia não tinha estagnado? Pouco mudou desde essa altura, a não ser o desemprego, que aumentou, e o poder de compra de quem ainda trabalha, que diminuiu. Pois.

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.