Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Arrastão: Os suspeitos do costume.

Passos para ir ao pote

João Rodrigues, 20.04.11

 

Talvez alguém que estude as nossas elites seja capaz de me explicar por que é que em Portugal quanto mais intenso o preconceito de classe subjacente a declarações sobre politicas públicas de gente com responsabilidades, maiores são os benefícios individuais que retiram de um Estado considerado gerador de perversidades. Curiosamente, estas perversidades só atingem as classes subalternas. Leite Campos do PSD é um estudo de caso: o seu conforto não pode ser suficiente para explicar as inanidades sobre o totalitarismo fiscal ou o inovador toma lá mas é um cartão de débito para não gastares tudo em vinho e bolos. 

 

Mudando de assunto ou talvez não. Até agora, o PS bateu todos os recordes nas opacas parcerias público-privadas. Estas agradam muito aos espíritos santos que comandam a economia politica nacional, mas terão de ser bem auditadas e revistas. Passos Coelho, revelando toda a hipocrisia da direita, quer alargar as engenharias políticas do PS a novas áreas e assim talvez bater os seus recordes. Terá chegado o tempo das "parcerias privado-públicas"? Nuno Serra analisa as ideias políticas do PSD no ensino: trata-se sempre de ir ao pote.

2 comentários

Comentar post