Quinta-feira, 21 de Abril de 2011
por Sérgio Lavos

 

O cerco aperta. O desespero cresce. A esperança diminui. Parece não haver um fundo para o poço. Estaremos perdidos em breve.

 

A psicose milenarista cavalga as vagas da crise nacional. Claro que sabemos como tudo começou, e no fundo desconfiamos de uma ou outra solução mais justa e, sobretudo, realista, para sairmos do buraco onde nos metemos, mas preferimos a angústia de um futuro inexistente a qualquer ideia diferente das que nos são impostas pelos malagridas dos jornais e das TV’s. Basbaques olhando para o ar esgazeado de Medina Carreira, zombies delirando perante as apocalípticas palavras de Vasco Pulido Valente, renovamos a nossa desconfiança diariamente. Merecemos os arautos da desgraça. O conforto da desistência é uma doce almofada onde repousamos a cabeça. Se a solução não passou pelos sucessivos PEC’s, se não passará pela intervenção da UE e do FMI, então que se lixe, cairemos sem honra nem glória. Mas aproveitemos enquanto dura. Gastemos o pouco que nos resta nas parcerias público-privadas da nossa vidinha. Enchamos os hotéis do nosso Allgarve, viajemos, escapemos ao estertor da crise embriagados pela réstia de tédio existencial a que temos direito, consumamos, amemos os produtos que um dia irão escassear.

 

Sempre acreditando no que o sistema tem para nos oferecer, aceitando a santa palavra dos gurus que nos trouxeram aqui. Cada remendo na economia é um bálsamo que sabemos não ir resultar, mas cremos, como cremos. Cremos porque queremos continuar a saber que a desgraça é nossa culpa, e porque no fundo desconfiamos das medidas que nos dizem salvadoras. Como desconfiamos, anuimos. Se a Grécia está no abismo do FMI, é esse o caminho que queremos seguir. Se a Irlanda tem de pagar o preço do salvamento dos bancos, então nós também temos. Tanta auto-indulgência faz bem ao ego estilhaçado do país.

 

E mais um cheiro de desgraça, mais um prego no caixão desta indulgência, este texto. Não é o que escrevo melhor nem pior do que a média nacional (ainda que a média nacional seja no fundo bem superior à média mundial ou mesmo europeia). Habituado que estou à praga catastrofista, embarco de bom grado nela; porque, lá está, não sou melhor do que a média. E produzo? Certamente, mas nunca o suficiente. Talvez mais do que a média, mas poderei eu dizer que aqueles que nos governaram e governam são piores ou mais incompetentes do que a média? Ninguém sabe. Os vícios dos políticos são outros, não tanto a preguiça. Acredito piamente no esforço, na dedicação, no suor dos nossos governantes. Que esse esforço seja quase sempre mal direccionado, muitas vezes mal-intencionado e amiúde certamente criminoso, pormenores da história. A culpa será sempre nossa; a democracia é tão tramada como o regime psicanalítico da moral judaico-cristã. O pecado original do português é não se importar em ser mal governado. Sentimos culpa por termos um pouco mais que os nossos pais, e sabemos que, no fundo, não o merecemos. É bem feito que uns senhores chegados de avião no meio do nevoeiro que cobre o país nos venham tirar o que fomos acumulando. Resgatar-nos do nosso mediano comodismo. É a maldita culpa.

 

Contudo, rejubilemos. No entanto, esperemos – até porque nada mais podemos fazer. Parece que todos os precipícios têm fundo, e certamente que um dia haverá crescimento económico. Se entretanto regredirmos umas décadas em direitos sociais, em conquistas democráticas, é para o nosso bem. A purga é necessária. O caminho é apenas um, sigamos o próximo Messias. Em direcção ao abismo. Nem que seja.

 

(Texto publicado no Delito de Opinião.)

tags:

por Sérgio Lavos
link do post | partilhar

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

pesquisa
 
TV Arrastão
Inquérito
Outras leituras
Outras leituras
Subscrever


RSSPosts via RSS Sapo

RSSPosts via feedburner (temp/ indisponível)

RSSComentários

arquivos
2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


Contador