Sexta-feira, 29 de Abril de 2011
por Miguel Cardina

 

O programa do PS agora apresentado é um mau truque de ilusionismo. O editorial do Público de ontem chama-lhe «um programa igual a um carro usado» e nota como as medidas avulsas, genéricas e requentadas ali apresentadas são «um sintoma de esgotamento típico de um fim de ciclo». Parece-me uma caracterização acertada. Aspecto importante: desaparecem grande parte das medidas contidas no PEC IV, que Sócrates tão arrebatadoramente defendeu e cujo chumbo considerou uma manobra lesa-pátria das oposições unidas. Sobretudo medidas que o eleitorado tradicional de esquerda poderia ver com maus olhos, como o congelamento de salários na função pública, os cortes nas pensões e o aumento do IVA. Não é a primeira vez que em momentos eleitorais vemos o PS tentar passar a imagem de que é diferente do que tem sido no poder.

 

Mas desta vez a coisa corre o risco de parecer ainda mais anacrónica. É que um dos elementos mais curiosos do programa é a inexistência de referências ao FMI, que verdadeiramente irá fazer o programa do futuro governo. José Sócrates e Pedro Passos Coelho, com a bênção de Cavaco e da banca portuguesa, governarão com o programa de austeridade desenhado pela troika. E governarão muito provavelmente coligados, caso as sondagens estejam certas e a preferência do parceiro de aliança se mantenha inalterada. Estamos, pois, diante de uma jogada de ilusionismo de baixo calibre. Quando a 16 de Maio for apresentado o pacote FMI e os líderes do PS e PSD forem obrigados a entender-se com base nessa plataforma, a audiência terá diante dos olhos aquilo que já é evidente para todos: o truque desvendado. Sócrates de mão dada com Passos Coelho ao mesmo tempo que procura sacar com a outra mão a rosa escondida na manga do casaco. Convencerá alguém?

 

* Texto inicialmente publicado no Blogue de Esquerda, da revista Sábado, onde estarei nestes dias a participar na "Semana do Blogger Convidado". Deixo um agradecimento especial à Marta Rebelo pelo convite e uma sugestão para que passem por lá.

tags: ,

por Miguel Cardina
link do post | comentar | partilhar

7 comentários:
a340
Ele há cada uma! Então o Miguel Cardina queria que o PS apresentasse um programa só com cortes? É claro que vai haver cortes, porque TODA a oposição, de forma absolutamente irresponsável, chumbou o PEC IV. Como bem avisa Sócrates, os cortes vão ainda ser piores do que com o PEC IV!
Esta atitude da oposição, mereceria, isso sim, reflexão e debate aprofundados.
Isto sim, parece-me bem mais grave do que qualquer outro tema que se possa nesta altura trazer para a discussão! Dir-me-ão que são águas passadas. Pois são, infelizmente. Mas reveladoras. Muito reveladoras do estado da nossa oposição.

Voltando ao programa do PS, com certeza que se ninguém puxar o país para cima -- com ideias e propostas que mesmo de antemão se sabe não poderem vir a ser concretizadas na sua totalidade -- quem o fará?

A oposição não é certamente. Tanto à esquerda, pois vive completamente fora do sistema e nisso insiste mesmo numa situação de absoluta excepção. Como à direita --que aproveita a vinda do FMI para dramatizar o discurso contra o estado e o gasto público.

Ou seja, entre estes dois extremos, eu, ex-votante no BE, não terei dúvidas no dia 5: votarei naquele que apesar do contexto internacional altamente adverso que encontrou procura, DENTRO do sistema em que vivemos, salvar o que ainda é possível do estado social.

deixado a 29/4/11 às 03:59
link | responder a comentário

Zé da Porrada
Citar o Publico a dizer mal do Ps é prova de bom gosto... Vá ao canal memoria e certamente encontrará Salazar a dizer mal dos Comunistas e Socialistas.... Como pequeno burgueses que são, e com emprego garantido para toda a vida, dão-se ao luxo de andar a confundir a classe trabalhadora (onde me incluo, pois sou operario do setor automovel) com os resultados que se tem visto de claro favorecimento da direita. . Estes se fossem inteligentes,nem campanha faziam,deixavam-na ao vosso cuidado...Ter razão antes do tempo é mau,o mesmo se passa com as propostas para agradar... que por extemporaneas, morrem em difinitivo para nunca mais poderem ser recuperadas.Fazer um programa muito ambicioso neste momento era enganar os portugueses.Termino citando Otelo, na entrevista que deu ao DN em 21 de Novembro de 2010: "
José Socrates teve um periodo de alguma fulgurancia,com grande capacidade de decisão na resolução de problemas do Pais. Mas depois deixou-se afundar,começoua resvalar para uma situação de enorme dificuldade.Claro que a crise mundial do capitalismo também abalou a estrutura socratica governamental" fim de citação.  Um pais com esta realidade á esquerda, com partidos que nem com o FMI querem conversar,para lhes dizer cara a cara o que pensam...Não vale a pena a classe operaria perder tempo... Votar neles é votar no PPCoelho para o poder.Para este peditorio...  os trabalhadores do Privado,já deram  e não dão mais para deixarmos de sustentar esta casta de iluminados que sugam ao  Estado o dinheiro dos impostos que lá metemos.... Vão brincar para o carvalho....

deixado a 29/4/11 às 09:54
link | responder a comentário

José Silva

Este poema representa as ilusões que nós temos em relação à União Europeia, que são como bonitas bolas de sabão:

SOAP BALLS

Bonita bola de sabão

eu fiz e ela foi pró ar

ai como vai a Nação

vai linda, vai estoirar!

-

i had a balloon

thate goes in air

as the Nation soon

in this sad affair

-

ela parecia o Mundo

e nessa sua rotação

um estoiro profundo

já levou outra ilusão

-

the world it seems

and turns all over

are Nation dreams

that we can't cover

-

com carro de linhas

fiz uma nova bola

fui fazendo bolinhas

lindas, que consola

-

and with an old car

i blow and the ball

didn't go so far

i do them so small

-

e desfez-se a ilusão

qu'eu tinha na ideia

saiu a pobre Nação

da União Europeia!

-

ilusion went gone

as the idea before

and till i have none

it comes no more

-

bolinhas de sabão

eu fiz com carrinho

e lindas eram então

foram devagarinho

-

and the soap ball

that i do with car

they banged all

near of me, not far

-

Eugénio dos Santos



deixado a 29/4/11 às 10:00
link | responder a comentário

Júlio de Matos

Convencerá alguém?»

deixado a 29/4/11 às 13:00
link | responder a comentário


«Convencerá alguém?», diz o Miguel Cardina.
«Convencerá alguém?» - ingénua pergunta...

Sim, respondo eu. Sim, convencerá! Muita gente e de Esquerda! Como eu! Sobretudo face ao "desconvencimento" que o rodeia, convencerá e bastante. Preocupe-se mas é o Miguel com aqueles que o B. E. desconvenceu, que aqui nestes comentários e comigo já vamos em 75%.

E preocupe-se, sobretudo, com a hecatombe que será a votação do B. E.. Sim, porque a CDU, como morta-viva, já nem vive no tempo real, tem o seu declínio marcado pelo tempo geológico (que é o dos dinossauros...).

deixado a 29/4/11 às 13:05
link | responder a comentário

Portela Menos 1
a táctica dos PsemS nos blogs de esquerda é dizerem que foram votantes do BE e que agora votam sócrates...tão mentirosos como o chefe!

deixado a 29/4/11 às 21:05
link | responder a comentário

andre silva

interesses instalados, blá-blá... emprego para toda a vida, blá-blá..., viver acima da possibilidades, blá-blá... discurso típico dos boys Xuxalistas, a mamar na teta do estado e que levaram o país à ruína e agora culpam os outros. Chegará , em breve,  hora de lhes pedir responsabilidades criminais.

deixado a 29/4/11 às 23:32
link | responder a comentário

Comentar post

pesquisa
 
TV Arrastão
Inquérito
Outras leituras
Outras leituras
Subscrever


RSSPosts via RSS Sapo

RSSPosts via feedburner (temp/ indisponível)

RSSComentários

arquivos
2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


Contador