Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Arrastão: Os suspeitos do costume.

Notícias da frente vermelha - o regresso

Sérgio Lavos, 16.08.11

 

Parece que o sr. Jorge Jesus andou a praticar durante as férias. Personal coaching, outra dessas invenções da pós-modernidade, como a morte do autor ou a música pimba. Aprendeu a falar com os jornalistas. Confesso sentir saudade da boca cheia de pastilha; não sou imune aos encantos xunga da Amadora quando se trata de futebol - a relação entre as classas privilegiadas e a bola é tema de tese a concluir do outro lado da Segunda Circular. Prefiro o courato ao caviar, a mini à flute de champanhe. Adiante. O problema não é Jesus ter deixado de mascar pastilha de boca aberta em directo para a TV; é ainda não ter aprendido a mais básica das lições do futebol: como controlar o ritmo de uma partida.

 

Vamos lá ver; contratar meia dúzia de bons reforços para o banco: excelente ideia. Ir aos saldos do Barcelona e encontrar um Villa dos pequeninos: melhor ainda. Descobrir alguém que, na frente capilar, substituísse com distinção o malogrado Balboa: feito, com proveito para as coisas da bola e tudo. Axel Witsel é, desde já, o jogador mais inteligente do plantel do Benfica. Eu juro que hoje, ao ver tantos jogadores do Benfica na área e uma velocidade de passe entre eles bastante acima da média, paralisei durante meio segundo, temi pelo inevitável desfecho. E foi esse meio segundo o suficiente para a calma zen de Witsel encontrar do outro lado o número 9 da equipa, que estava no lugar onde deve estar o número 9: no coração da pequena área a empurrar bolas para a baliza (o Cardozo estava à linha a passar o esférico para trás, se é isso que querem saber, fazendo juz ao número 7 que usa nas costas). Villa teve Messi anteontem, Nolito teve o toque de Witsel. Podem salvaguardar as distâncias que quiserem, mas o segundo golo do Benfica é uma jogada de equipa rara. Belíssima.

 

Mas depois, o pesadelo. Questão: como manter um excelente resultado fora de portas, contra uma equipa cuja maior qualidade reside no ataque? Opção n.º1: tirar Aimar, regressado de uma lesão, e fazer entrar Matic, adiantando Witsel. Opção n.º2: tirar Aimar, regressado de uma lesão, e fazer entrar Ruben Amorim, adiantando Gaitan. Opção n.º3: tirar Cardozo, que "apenas" serve para marcar golos, e fazer entrar Saviola, repetindo a linha média/avançada que marcou dois golos em 45 minutos ao Arsenal, há menos de 1 mês. E o que fez Jorge Jesus? Cito: "Na segunda parte meti o Saviola pensando que com ele e o Cardozo pudéssemos fazer o 3-1. Não aconteceu e sofremos o golo do empate num lance em que há falta nítida sobre o Emerson. Aí tentei defender o resultado com a entrada do Matic." Resumindo: um resultado de 2-1 não deve ser defendido, antes deverá ser pensado como uma excelente oportunidade para "esmagar o adversário". Um empate, sim, é para defender. Ou Jesus, com a ajuda do seu personal coach, andou embrenhado nos ideogramas do I-Ching e vê além do comum dos mortais, ou, lá está, ainda não aprendeu a controlar o ritmo do jogo quando a equipa está em vantagem no resultado. Será difícil encontrar treinador que alie tanta capacidade de preparar o jogo atacante com tão pouco domínio do que está na base de qualquer equipa vitoriosa: a defesa.

 

Tirando estes, vá lá, pormenores, está tudo bem encaminhado para Nolito ser o melhor marcador da Liga - parece que Falcao quer voar para um clube de grande dimensão, como é o caso do gigante Atlético de Madrid - e Witsel tornar-se o jogador com mais classe a jogar no campeonato português desde que o director desportivo do Benfica pendurou as chuteiras. Vocês sabem do que eu estou falar.

2 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Obelisco instavel 18.08.2011

    Cara Pirralha


    O futebol não é ópio, porque não ilude, ao contrário da religião, é feito de trabalho diário, de arte, de técnica, de dor, de esforço, de sangue, de euforia, de paixão, de raiva, ciúme, amor, humilhação, etc, etc.
    Por isso um poeta brasileiro, de que não me lembro o nome, com grande pena, disse um dia que durante  toda a vida procurou o sentido da vida, até o encontrar, no futebol. Mais do que uma indústria, muitas vezes lamentável, é a maior das manifestações humanas, basta ver como uma criança de 6 anos pega numa bola, a mesma bola que olhará com infinita nostalgia aos 60. Não é ópio, todos os que jogaram futebol, bem ou mal, o sabem.
  • Comentar:

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.