Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Arrastão: Os suspeitos do costume.

Uma forma de escravatura

Sérgio Lavos, 28.01.13

Emigrar pode ser apenas uma escolha, mas quando é por necessidade última, porque o país não consegue criar condições para as pessoas ficarem juntos dos seus, das suas raízes, já estamos a falar de política. Toda a conversa sobre "mobilidade laboral" e "globalização do trabalho" não passa de fumo lançado para encobrir as políticas económicas que estão a forçar a saída não só da geração mais qualificada de sempre, mas também de muitos portugueses mais velhos e menos qualificados, que pura e simplesmente não encontram trabalho em Portugal. 

 

Ainda a propósito de mais um execrável Prós & Contras no qual os convidados via Skype eram todos exemplo de uma emigração por escolha, e não por obrigação, a qual constitui a maior parte dos casos registados nos últimos anos (todos nós, os que ficamos, conhecemos pessoas que estão a emigrar deixando ficar a família, trabalhando em empregos pouco qualificados, em sobre-exploração), ficam aqui as palavras do escritor Rentes de Carvalho, ele próprio emigrante forçado na Holanda por razões políticas:

"De um ponto de vista social, a emigração portuguesa constitui a manifestação de uma forma de escravatura que subsiste ainda hoje. De um ponto de vista ético, a emigração portuguesa significa a negação constante do direito mais elementar da pessoa: o direito à vida no próprio país. De um ponto de vista político, a emigração portuguesa supõe a renúncia à revolta".

13 comentários

Comentar post