Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Arrastão: Os suspeitos do costume.

Cedo demais

Daniel Oliveira, 28.03.13

FOTO DE ENRIC VIVES-RUBIO/PÚBLICO


Quando a Europa se prepara para deixar que o insignificante Chipre cumpra o papel que a Grécia desempenhou no início desta crise e quando o Tribunal Constitucional se prepara para, no cumprimento das suas obrigações, tornar todas as previsões do governo numa derradeira anedota, dando o pontapé de saída para uma crise política, o País parou para falar do passado.

 

Independentemente das responsabilidades que cada um pense que tem na situação do País, compreende-se que José Sócrates tenha sentido a necessidade de se defender. Mas essa defesa, na situação em que estamos, serve-nos de pouco.

 

Sim, a entrevista de Sócrates acabou por ter alguma utilidade. Ao rever o que se passou há dois anos, poderia ter contribuído para desfazer alguns lugares-comuns que o primarismo que domina a política e o jornalismo portugueses transformaram em verdades feitas que não resistem ao mínimo de objetividade. Até o fez, do ponto de vista argumentativo, com alguma eficácia.

 

Mostrou o absurdo de tentar explicar a crise com um suposto despesismo. Exibiu a aldrabice dos números que se apresentam sobre o défice e o endividamento público, que juntam o período de 2005 a 2007 ao da crise internacional, em 2008, a que correspondeu perda de receitas fiscais e aumento dos juros. Não deixou que o PSD continuasse a fingir que as Parcerias Público-Privadas não lhe dizem respeito. Conseguiu mostrar porque é que a austeridade nos deixa ainda mais longe dos objetivos que diz pretender. Lembrou o comportamento irresponsável de Passos Coelho em 2011. Denunciou, no seu melhor momento na entrevista, a inenarrável falta de sentido de Estado do Presidente da República. Desse ponto de vista, Sócrates poderia dar lições da António José Seguro.

 

Deixou muito por explicar: o congelamento por dois anos dos ordenados da função pública para os poder aumentar em ano de eleições; a nacionalização do BPN; a falta de discurso europeu que o manteve até ao chumbo do PEC4 numa posição acrítica e servil; a política de austeridade que ele próprio começou com os PEC e que agora considera errada. E foi criativo na cronologia da crise, fingindo umas vezes que nada sabia em 2009 e outras que tudo já estava a acontecer no início de 2008.

 

Na argumentação, Sócrates esteve bem. Mas o problema é que Sócrates é Sócrates. O ódio que deixou em muita gente seguramente sentiu-se de novo em cada frase agastada, num homem que, no seu estilo, nada mudou. E o ressentimento de muitos portugueses não está preparado para argumentos, números e factos. Qualquer racionalidade no seu discurso esbarra com a irracionalidade de quem o ouve.

 

Ao concentrar, neste preciso momento, o debate político no seu legado, acabou por prestar um bom serviço à narrativa que queria contrariar: quando o presente lhe dá razão, põe o País a falar do passado. Quando estamos prestes a fechar um ciclo, Sócrates fez tudo começar de novo. O passado é demasiado próximo para ser analisado com justiça. O reaparecimento de Sócrates, no momento ajudou a confundir o que já devia ser claro: o clamoroso falhanço deste governo e da troika que Passos Coelho tanto desejou.

 

Publicado no Expresso Online




2 comentários

  • Sem imagem de perfil

    MetroidSamus 28.03.2013

    Merece mesmo. um povo que votou decadas em cavaco vendo essa pifia figura como um grande politico, estamos falados. um povo que se deixa gozar por relvas e co., so confirma. em suma, teve razao em assinar a petiçao para o homem nao ser comentador (tb so neste pais é q se lembram disso) - afinal, o homem vai arrasar. nao arranjem gente de jeito, nao, e verao se nao levam com ele novamente. eu tive de me estar a recordar sempre q o homem é um virtuoso para nao me deixar convencer. mas se a mediocridade geral se mantiver, ainda me convence. e se me convence a mim... convence muita gente:) tremei, portanto.
  • Comentar:

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.