Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Arrastão: Os suspeitos do costume.

O pensamento neoliberal em todo o seu esplendor

Sérgio Lavos, 09.05.13

Ou como, no fundo, no fundo, o que um verdadeiro liberal defende é um regresso à jorna ou à exploração dos tempos da Revolução Industrial, antes de surgirem as primeiras conquistas dos trabalhadores. Ou até, quem sabe, a reintrodução da escravatura; certamente que os escravos de outrora agradeciam aos seus donos a comida e um "cantinho para dormir" que obtinham em troca do seu trabalho. É bom que de vez em quando o liberalismo insurgente mostre o seu verdadeiro rosto. Nós, de esquerda, agradecemos. Sabemos com o que podemos contar:

 

"Quem defende a existência de Salário Mínimo Nacional acredita que a imposição de um valor mínimo de remuneração do trabalho é “garantia de vida digna”.


Mas na reportagem da SIC do passado sábado (video) um jovem sem-abrigo, a viver nas galerias da Gare do Oriente, para escapar à situação actual, disponibiliza-se trabalhar apenas como pagamento de um “cantinho para dormir”. E muitos outros jovens – que provavelmente vivem ainda com os pais e não na rua – também estão desempregados (segundo o INE, 42,1%). Para estes, uma vida digna começaria por um qualquer trabalho, mesmo que seja de baixa remuneração. Só assim poderiam provar quão produtivos podem (ou não!) ser, medida bem mais credível que algumas centenas de palavras escritas no currículo.


Vida digna? Acabem com o salário mínimo nacional."

 

Adenda: algures na caixa de comentários deste post abjecto, o postador defende o que propõe falando em "liberdade" do indivíduo. Resumindo: o trabalhador deve ter a liberdade para fazer o contrato esclavagista que mais convém ao patrão. Ou ainda: escravidão é liberdade. Melhor exemplo de novilíngua seria difícil de encontrar.

4 comentários

  • Imagem de perfil

    Sérgio Lavos 10.05.2013

    Não, não reduz o desemprego. Os estudos que existem mostram o contrário. É apenas uma fantasia de uma minoria radical de direita, uma utopia assassina, como se viu recentemente no Bangladesh. E nos países que refere há salário mínimo, sim, definido por sector de actividade, e negociado entre sindicatos e patronato. Por mim, este modelo serve-me. A lei têm de permitir aos sindicatos capacidade de negociação, isto, tem de haver um enquadramento legal que confira poder à parte mais fraca da relação laboral, o trabalhador, como de resto acontece nos países mencionados.
  • Sem imagem de perfil

    Mário Amorim Lopes 10.05.2013

    Caro Sérgio, é curioso que adjective de "minoria radical de direita" todos os economistas que trabalharam na teoria do produtor e do consumidor, que consta em todos os livros de microeconomia (suspeito, mas não posso confirmar, que até Marx estava consciente disto) da qual se infere a lei da oferta e da procura. Note-se que até Paul Samuelson, esse arauto Keynesiano que previa no seu livro Economics que a USSR iria ultrapassar os EUA algures nos anos 90 (e ultrapassou, em presos políticos e campos de concentração), considerava como válida essa análise microeconómica, ao ponto de a incluir no livro.


    Mas deixemos a teoria para lá. 70 anos de estudos de labour economists ainda não chegaram a um consenso sobre o verdadeiro efeito do salário mínimo no desemprego geral numa economia com elevado desemprego conjuntural. No entanto, há uma boa evidência [1] que, de facto, o salário mínimo tem um efeito relevante no desemprego jovem. O caso é da Nova Zelândia, em que a convergência do salário mínimo dos mais jovens para o dos adultos assistiu a um aumento em paralelo do desemprego jovem. Há muitos mais estudos, mas isolar duas variáveis estatísticas numa economia dinâmica é complicado. A correlação é forte, ainda assim. A haver causalidade, suporta a teoria.


    Mas vamos ignorar tudo isto. Um exemplo mundano. Imagine o Sérgio que tinha uma empresa (calúnia! prejúrio! blasfémia!). Imagine que auferia 2000 Euros e que tem dois colaboradores a quem paga 500, retira 700 para si (seu malandro capitalista!) e restam-lhe 300. Agora imagine que precisava de alguém para fazer de estafeta ou para ajudar a fazer qualquer coisa. Atribui a essa tarefa um valor de 300 Euros. Se encontrasse alguém para o fazer, aceitava. Sendo o salário mínimo 500 euros, não teria como pagar. Percebe? Aliás, é bom recordar que foi na altura em que os EUA não tinham salário mínimo que o desemprego estrutural/natural foi mais baixo.


    [1] - http://www.nbr.co.nz/article/banksie-how-solve-youth-unemployment-woes-dw-136969
  • Imagem de perfil

    makarana 10.05.2013

    O problema é que ninguém ou quase ninguém estaria disposto a receber uma quantia tão baixa.Uma coisa é trabalho, outro é a escravatura. Ou então aumentaria aos dois colaboradores.
  • Comentar:

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.