Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Arrastão: Os suspeitos do costume.

A doutrina do choque

Sérgio Lavos, 23.05.13

 

Já tinha em tempos publicado no Arrastão o documentário baseado no livro de Naomi Klein, A Doutrina do Choque, mas fica aqui novamente, para relembrarmos que as afirmações do secretário de Estado Carlos Moedas (um dos elementos da Goldman Sachs que estão ou gravitam à volta do Governo), proferidas hoje, não são mais do que a prova de que os programas de ajustamento que estão a ser implementados, sobretudo em Portugal e na Grécia, estão de facto a ser bem sucedidos. "Só acabam os maus hábitos quando enfrentam choques", disse Moedas, e nesta frase está plasmada a verdadeira intenção do Governo de traidores que ocupa o poder: destruir a economia e levar à completa insegurança laboral e social, e assim encontrar-se pretextos para acabar com o actual contrato social e o Estado que ele pressupõe. Um programa desta amplitude apenas se consegue distorcendo e suspendendo a democracia. Pinochet e Carlos Videla fizeram isso em ditadura, o Governo (sustentado pelo presidente da República) está a conseguir fazê-lo devido ao estado de excepção associado ao programa de ajustamento. Pedro Passos Coelho quis a queda do anterior Governo e a vinda da Troika porque pretendia impôr o actual programa de destruição do país. Já poucos poderão ter dúvidas de que é isto que está a acontecer

7 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Sanatório da Direita Flatulante 23.05.2013

    Viu o filme? Se não viu então o seu comentário é apenas mais um de quem vê o mundo a preto e branco. Veja-o sem sectarismos, deixe lá essas merdas de tricas entre ps, psd e cds e depois quer concorde ou discorde vai ver o paralelo com a actual situação portuguesa e o que pretendem alucinados perigosos como o Moedas, Gaspar ou Borges. O que interessa é o desastre actual com quase 1 milhão de desempregados, cortes a eito no estado social que afectam quem dele mais precisa, desinvestimento na educação com consequências futuras gravíssimas, e no meio de tudo isto uma nova élite de nababos pagos a peso de ouro para pôr estas medidas em práctica. Uma pergunta: se se criam novas empresas em Portugal "como nunca visto", porque é que o desemprego continua a aumentar e porque é que há cada vez emigração?
  • Sem imagem de perfil

    Alexandre Carvalho da Silveira 23.05.2013

    Se você visse o mundo a cores, percebia que isto não funciona assim. Não se carrega num botão e a economia começa a crescer e o desemprego começa a baixar; quem vende esse filme é a esquerda que nunca criou nem empregos, nem crescimento económico: só sabe gastar o que não tem.
    Um ajustamento como Portugal está a sofrer, demora anos. Temos muito que penar. O Tozé é que  anda a dizer que vamos voltar aos bons tempos do Sócrates. Só se lhe sair o euromilhões de Marte.
    Se quer saber das alternativas , vá perguntar ao Daniel Oliveira e ao Galamba o que sucede se negociarmos um haircut da divida e depois sairmos do euro, como eles defendem!
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 23.05.2013

    "Não se carrega num botão e a economia começa a crescer e o desemprego começa a baixar"
    mas clica-se numa folha de excel e a economia entra numa espiral recessiva e o desemprego aumenta descontrolado.

    "a esquerda que nunca criou nem empregos, nem crescimento económico"
    mas o actual governo de direita é responsável pela maior destruição de emprego jamais vista em Portugal e pela maior afundamento económico de que há memória.
  • Sem imagem de perfil

    Alexandre Carvalho da Silveira 24.05.2013

    Não diga asneiras: entre 2005 e 2011, destruiram-se em Portugal 400 mil empregos. E havia dinheiro com fartura. Então porque é que a economia não cresceu e o desemprego aumentou brutalmente? a sua memória é muito fraca, ou então ainda não era nascido em 1978, ou 1983.
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 24.05.2013

    Asneiras? Ó artista, tudo o que eu disse é verdade.
    O aldrabão aqui és tu, ó serviçal da cúpula que destrói o país.
    Vamos lá ver:
    - Número total de desempregados (baseado na taxa de desemprego e na população activa):
    2005 - 421412
    2006 - 430222
    2007 - 449464
    2008 - 427492
    2009 - 530357
    2010 - 602716
    2011 - 703986

    #1 - Entre 2005 e 2008, tudo estável em torno dos 7,5-8%.
    #2 - Entre 2005-2008 e 2011 há mais ~270000 desempregados.

    "destruiram-se em Portugal 400 mil empregos", dizes tu.. É só um factor-distorção-da-realidade-do-tretas-do-silveiras de 47%!!

    "e havia dinheiro com fartura"
    Havia? Onde? Nas contas do teu amigo dias loureiro talvez.

    ÉS UM ALDRABÃO!
  • Sem imagem de perfil

    Alexandre Carvalho da Silveira 25.05.2013

    Ó anónimozinho, acalma-te lá: pelos numeros que apresentas há uma diferença entre 2005 e 2011 de cerca de 280 mil desempregados. Então e os mais de cento e cinquenta mil emigrantes que regressaram aos seus países, e que por isso não fazem parte da estatistica, não contam?
    Não te ponhas a falar de percentagens, senão ainda torras os miolos, que são fraquinhos...
     
  • Comentar:

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.