Quinta-feira, 29 de Junho de 2006
por Daniel Oliveira
Numa sondagem do Correio da Manhã, 27% dos inquiridos diz achar que este governo é de direita. 14,3% considera que é mesmo de direita e 12,7% é mais suave e considera-o de centro-direita.
20,9% dos votantes tradicionais do PS acredita que o governo é de centro-esquerda. Só 14% lhe atribuiu uma orientação de esquerda. Entre os dois extremos, a percentagem de eleitores socialistas que classifica o Governo como de direita é superior à que diz que é de esquerda: 17,6% contra 14%.
31,6% dos eleitores do CDS tem razões para estar contente, já que conidera que o exectivo segue políticas de direita. 24% dos eleitores do PSD tem a mesmo opinião.

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | partilhar

16 comentários:
Nenhum partidário está satisfeito, enquanto o seu partido não estiver no governo, como tal, acho disparatado dizer que não sei que percentagem do PSD ou do CDS estão contentes com o governo só porque supostamente seguem politicas de direita.
estatisticas são infelizmente, hoje em dia, mais uma ferramenta ao serviço das propagandas de que tão só é feita a politica actual, não só por cá, mas...
ainda somos os reis da imitação.

deixado a 1/7/06 às 11:49
link | responder a comentário

Daniel Oliveira
Se veio assinado povo unido (como deve imaginar nao fui eu que o assinei) como queria o real que eu soubesse que era dele?

deixado a 30/6/06 às 16:16
link | responder a comentário

real
vamos lá a ser rigoroso ó génio dos cárpatos, sabes que isso é justamente o contrário do que penso como podes ver, aliás, no comentário que não sei como saiu assinado "povounido"

deixado a 30/6/06 às 15:58
link | responder a comentário

Daniel Oliveira
O real nao perde este hábito de falar por "todos nós".

Compreendo que lhe agrade a conversa que a esquerda e a direita nao interessa. Temos é de andar para a frente e ser todos amigos.

deixado a 30/6/06 às 15:41
link | responder a comentário

real
ó Luís Carvalho todos nós tinhamos percebido isso, nem sempre devemos ir na conversa que mais interessa ao Daniel, é que com o estado de letargia em que se encontra a agremiação ele precisa muito de folego.

deixado a 30/6/06 às 15:28
link | responder a comentário

Luis Carvalho
Caros amigos. Tendo exposto a minha posição, lamento que ela tenha sido detorpada para uma aparência unanimista, e logo conotada com um pensamento de “direita neo-liberal”. Longe disso.
O debate de idéias (tal como está aqui saudavelmente a acontecer) é do mais salutar, e pelos vistos longe do unanimismo. Somos todos "gente crescida", e sabemos que "o Mundo não funciona assim". Se calhar é por isso que ele funciona tão mal. Ou não?
Não adianta fugir com o rabo-à-seringa: a imagem e a essência que passa para a população através destes chavões da nossa política (abundantemente utilizados pela generalidade dos nossos políticos) é que cria o unanimismo de que “são todos iguais”. Como não há profundidade nos debates, e tudo se prende em torno de demagogias e marktings, fica tudo em torno do Omo e o Skip... “são todos iguais”...
Não defendo idéias iguais, nem nenhum manto que as imponha. Defendo sim, um esforço de todos (primeirmente dos participantes políticos) para discutirem os assuntos tendo em conta que falam para pessoas que os querem entender, e que até têm capacidade para isso. Aí sim, é o abolir o tempo da(s) velha(s) senhora(s), em que os três F’s era o que mais importava.

deixado a 30/6/06 às 15:01
link | responder a comentário

povounido
Não concordo com o Luís Carvalho (Óbidos é linda;)), esquerda e direita ainda fazem sentido e não convém deixar espaço aos detractores da política governativa mais à esquerda desde o 25 de Abril. Esquerda é sobretudo transformar, mudar e lutar incessantemente contra a desigualdade. Há outra esquerda também que preconiza o contrário de tudo isto.
A arte de bem governar à esquerda: Fim do monopólio das farmácias; fim dos privilégios corporativos de excepção para os servidores do estado; garantir a sustentabilidade do estado social para as pensões; garantir limiares mínimos de prestações sociais que assegurem a subsistência e a dignidade humana; colocar a escola pública ao serviço e em função da instrução, dos alunos e das famílias e não dos seus agentes; favorecer a paridade, descriminalizar a IVG e defender novas formas de organização familiar; criar uma lei da nacionalidade que respeite os emigrantes, contrariando as tendências securitárias predominantes na Europa. Há exemplos claros e abundantes para todos estes valores de esquerda.
Se só houvesse esquerda e direita dir-se-ia que nunca esquerda e direita estiveram tão diferenciadas em Portugal. Mas há, afinal, outra esquerda? Uma esquerda que lute assim contra a desigualdade? Se há, que venha ela!

deixado a 30/6/06 às 12:04
link | responder a comentário

Não me venham com essa treta de que já não há esquerda nem direita. Tenho todo o gosto (mas não todo o tempo do mundo) em explicar. Escolham 2 ou 3 temas que eu dou-vos exemplos.

deixado a 30/6/06 às 11:25
link | responder a comentário

zeca
As sondagens servem mesmo para isso,...entreter papalvos.
Por isso, proliferam nos vários jornais, e pasquins!

deixado a 29/6/06 às 23:02
link | responder a comentário

Houve alguém que disse: Há 3 tipos de mentiras: as verdadeiras, as falsas e as sondagens.
Subscrevo e acrescento: este governo é o que é e limita-se a governar.

deixado a 29/6/06 às 21:49
link | responder a comentário

Comentar post

pesquisa
 
TV Arrastão
Inquérito
Outras leituras
Outras leituras
Subscrever


RSSPosts via RSS Sapo

RSSPosts via feedburner (temp/ indisponível)

RSSComentários

arquivos
2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


Contador