Sexta-feira, 28 de Setembro de 2007
por Daniel Oliveira
Estas são as primeiras directas realmente renhidas em qualquer partido. E nelas podemos ver todas as desvantagens desta nova moda. Os líderes são eleitos num momento diferente em que a orientação do partido é votada. O debate fica vazio. Os militantes acompanham a discussão pelos jornais. O debate é mediado. Os candidatos falam mais para dentro do que quando se dirigem a delegados, mais preparados para ponderar variantes externas ao partido. O partido expõem-se mais mas fecha-se. Os líderes desgastam-se ainda antes de o serem. E como directas difíceis só acontecem a quem está na oposição, fragilizam sobretudo quem já tem a tarefa dificultada. Os congressos são violentos, mas duram três dias. Dois meses depois de se atacarem, é mais difícil colar os cacos.

É verdade que as directas são, do ponto de vista interno, mais democráticas e mais transparentes. Mas fecham ainda mais os partidos em si mesmos, beneficiam o populismo e fragilizam quem está na oposição. E mais democracia nos partidos nem sempre se traduz em mais democracia no país. Todo o poder para o militante pode mesmo querer dizer menos poder para o eleitor.

O que seria verdadeiramente democrático: directas com o voto do eleitorado. Mas é viável? Se não é, mais valia voltar aos velhos congressos, sem lugares por inerência e com regras mais claras.

Post publicado no 31 da Armada
tags:

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | partilhar

2 comentários:
Justicialista
As directas impõem-se não só para eleger o líder do partido mas também para eleger todos os candidatos dos partidos a qualquer lugar público. Mas não precisam ser este folclore todo que é em Portugal. Veja-se como se passou a transição Blair-Brown no Reino Unido. Houve directas no Partido Trabalhista, onde não se viu nada do que se vê aqui em Portugal. Triste país, em tudo!

deixado a 28/9/07 às 23:35
link | responder a comentário

As Directas podem ter defeitos, como tudo, mas tornam o processo electivo do Líder muito mais representativo e democrático.

Um dia teremos directas no Bloco de Esquerda.

E daqui a muitos anos no PCP.

deixado a 28/9/07 às 19:09
link | responder a comentário

Comentar post

pesquisa
 
TV Arrastão
Inquérito
Outras leituras
Outras leituras
Subscrever


RSSPosts via RSS Sapo

RSSPosts via feedburner (temp/ indisponível)

RSSComentários

arquivos
2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


Contador