Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arrastão: Os suspeitos do costume.

Gaspar, o autista*

Sérgio Lavos, 17.10.12

Sabemos que o Orçamento para 2013 é suicidário. Sabemos que é um orçamento de urgência que visa não só cobrir o buraco orçamental previsto para o ano que vem como também o que ficou a descoberto este ano, a estrondosa derrapagem orçamental que o Governo já não consegue esconder. Sabemos que existe uma folga de alguns milhares de milhões no orçamento porque Gaspar sabe que as previsões de receita, de corte de despesa e de desemprego são absurdamente irrealistas. Sabemos que, devido ao falhanço brutal nas previsões de 2012, Gaspar teria de dinamitar a economia para conseguir atingir a meta do défice. Sabemos que este orçamento é incumprível, sobretudo por causa dos juros que temos de pagar, não só dos empréstimos anteriores ao memorando, mas também dos que pedimos à troika. Nove mil milhões de euros por ano de juros é um valor que nem o maior génio das finanças de sempre conseguiria cobrir. E Vítor Gaspar não é um génio. Não só não é um génio, como erra todas as previsões, consecutivamente. Este ano vamos para o quarto orçamento rectificativo, coisa que não se via desde o PREC. E para além de ser incompetente no papel de ministro das Finanças, é também intelectualmente desonesto. Depois do FMI ter vindo a terreno dizer que o multiplicador usado para calcular o efeito da austeridade na economia (por cada euro cortado a economia contrair-se-ia 50 cêntimos) estava errado, propondo novo multiplicador (por cada euro poupado, a economia contrai-se entre 0.9 e 1.7 euros), Gaspar persiste em usar o multiplicador antigo nas previsões para 2013 e depois. E não admite que o faz, tendo-se recusado a responder a uma pergunta directa de um jornalista na conferência que se seguiu à apresentação do orçamento e desvalorizando a opinião do FMI. Não é só incompetência. Não é só fanatismo ideológico. É um inacreditável autismo que está a levar o país a um buraco de onde será muito difícil sair. Vítor Gaspar tem mesmo de ser parado - até porque o inábil deslumbrado Passos Coelho nunca o irá fazer. 

 

*Como deveria ser evidente, uso a caracterização em sentido figurado e não pretendia ofender, de modo algum, quem sofre deste gravíssimo problema, nem as respectivas famílias. 

Obrigatório ler

Sérgio Lavos, 30.12.11

 

O relatório da Unesco sobre o projecto de construção da barragem do Tua, no Aventar. Pronto há seis meses, até agora nenhum jornal o tinha publicado (que surpresa) e tanto o ministério do Ambiente como a secretaria de Estado da Cultura se mantêm silenciosos sobre os pormenores do mesmo. A história de uma barragem que vai produzir apenas 0.6% da energia nacional destruindo irreversivelmente a paisagem envolvente e a histórica Linha do Tua, classificada como Património Mundial pela Unesco. Para além de incontáveis hectares de terra para a produção de vinho do Porto. Tudo para que uma empresa privada (neste momento, a 100%), a EDP, possa ter um lucro de dezasseis mil milhões de euros e os seus gestores recebam os prometidos bónus. Um caso exemplar do modo como funciona a rede de interesses económicos das empresas privadas e da sua relação com os partidos do arco do poder, PSD, PS e CDS. O problema não é haver excesso de Estado, como é evidente; é o Estado funcionar como canal de financiamento de projectos privados duvidosos que prejudicam os contribuintes e enchem os bolsos dos accionistas das empresas que deles beneficiam, assim como os dos gestores, quase sempre antigos governantes ou políticos destes três partidos.

 

(Via 5 Dias.)

Feliz Natal, o tanas

Sérgio Lavos, 25.12.11

 

Não será coincidência que, nesta época de solidariedade hipócrita e de caridadezinha cristã, quando os ricos aliviam a sua consciência pesada ofertando migalhas aos pobres, seja anunciado que a quebra na duração dos subsídios de desemprego, numa altura em que este cresce em flecha, poderá chegar aos 75%. A medida é burra e completamente errada em termos económicos. Mas é sobretudo uma afronta a quem andou anos, décadas, a contribuir para a Segurança Social, e se vê no desemprego. E é um crime, cometido em nome de uma ideologia neoliberal assassina. Não poderá haver desculpa. Espero que, mais cedo ou mais tarde, o povo demonstre a estes criminosos inspirados por ideias económicas extremistas que há limites para o delírio em que o país parece ter entrado. E seria melhor que fosse mais cedo. Antes que seja demasiado tarde.

Tudo bons rapazes

Sérgio Lavos, 21.12.11

Emigração ou morte!

Sérgio Lavos, 19.12.11

Outra maneira de reduzir a população portuguesa, para além da emigração forçada: esperar que os doentes que aguardam uma operação ou um transplante morram. Qual será o número de portugueses a partir do qual o Governo já consegue governar? Nove milhões, oito? É que os incentivos à natalidade também estão a acabar e, já se sabe, uma morte é uma tragédia, milhares, apenas um número.

Época de saldos

Sérgio Lavos, 18.12.11

 

Enquanto o Governo se encontra reunido preparando o nosso futuro - outro modo de falar da liquidação total do Serviço Nacional de Saúde, da Segurança Social, da Educação e das empresas públicas que dão lucro -, a Inglaterra e outros países preparam-se para a guerra. Os planos de evacuação de Portugal e Espanha estão a ser preparados, para que os cidadãos britânicos consigam escapar do Titanic. Parece mentira? Pois. Mas o que pertencia há uns tempos ao domínio da ficção surreal, agora é verdade. Depois de um secretário de Estado ter pedido há umas semanas para os portugueses saírem da "zona de conforto", hoje, o administrador da insolvência do país aconselhou os professores a emigrar. Nem vale a pena falar no investimento que o Estado fez na formação das dezenas de milhar de formados que estão desempregados ou trabalham em empregos precários. Investimento que o  primeiro-ministro prefere oferecer a outros países. Uma declaração destas é criminosa, uma enormidade. Apenas conseguimos compreender isto se Coelho tiver uma coisa em mente: a emigração em massa irá facilitar a sua governação. Com menos desempregados no país, há menos prestações sociais a pagar, os números do desemprego baixam, e sobretudo a massa crítica do país - não nos podemos esquecer que são jovens com formação superior, muitos deles com doutoramento, que estão a sair - deixa de existir, e com ela a contestação, a crítica, a possibilidade de se fazerem as coisas de maneira diferente. Facilitar a vida a quem se prepara para comprar o país, eis o que parece ser a principal motivação deste Governo. Não sei se perceberam, mas Portugal acabou, enquanto nação independente. Depois, não se queixem.