Terça-feira, 11 de Maio de 2010
por Sérgio Lavos

O tom geral das conversas de café é claro: a visita de Bento XVI é vista em Lisboa como um incómodo e basicamente desnecessária, tendo em conta - sobretudo - a crise que o país atravessa. À hora do almoço, espreitei a cobertura histérica de Fátima Campos Ferreira à visita e confirmei o que suspeitava: os lisboetas, na sua maioria, ignoraram a presença do Papa. Era desolador o panorama em Belém: algumas dezenas de crianças de escolas católicas, arrastadas pelos professores, acenavam com bandeiras; e não muito mais do que isso - talvez uma ou outra excursão vinda da "província". Há pouco, quem esperava uma onda amarela e branca no Terreiro do Paço deve ter corado de vergonha; a verdade é que a onda vermelha do Marquês de Pombal, Domingo passado, era, digamos, bem mais avassaladora do que aquilo que vimos à beira do Tejo. Mas quem está a contar, certo? Ah, espera aí, toda a gente está; o pretexto para os gastos milionários do Estado português, mais a perda de produção correspondente a dia e meio de tolerância de ponto, é o suposto "sentir" do povo português. Noventa por cento, parece. Hoje, o Público até se dá ao trabalho de publicar um mapa com a percentagem de católicos por distrito. Catita e científico, parece, mas completamente errado. Os números de que se fala - desde a mais tenra idade que toda a gente sabe que há noventa e tal por cento de católicos em Portugal - são uma falácia, porque correspondem ao número de baptizados pela Igreja Católica no país. E sendo o baptismo um sacramento não exactamente voluntário, é fácil chegar-se a uma conclusão. Quer-me parecer (eu, que fui baptizado, fiz a primeira-comunhão, a profissão de fé e o crisma) que a vontade de quem é contado como católico não é tida nem achada para estas estatísticas. Daí a existência dessa cómoda categoria do "católico não-praticante", como se se pudesse continuar a pertencer a uma religião sem respeitar os sacramentos a que ela obriga: a confissão, a comunhão, a irreversibilidade do matrimónio, etc. É claro que à hierarquia da Igreja pouco importa que, destes noventa e tal por cento, apenas uma minoria - cada vez mais reduzida - seja efectivamente católica; a versão oficial do "país maioritariamente católico" é o melhor que lhes pode acontecer, em tempos de crise de fé e de escândalos.

P.S.: Sabe o que é apostasia? Visite este grupo no Facebook para saber como não contar, realmente, para as estatísticas do "país católico".
tags:

por Sérgio Lavos
link do post | comentar | ver comentários (58) | partilhar

Quarta-feira, 17 de Fevereiro de 2010
por Sérgio Lavos


No dia em que um grupo* de Militares de Abril decide fazer uma conferência de imprensa para tornar pública uma carta aberta contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo - de facto, não haveria assunto mais na ordem do dia -, nada melhor do que a divulgação de uma acção de protesto contra a manifestação que vai ter lugar no próximo sábado - e não, não estou a falar da outra, a do desagravo, mas sim da salutar iniciativa de um grupo de excursionistas variado, liderado pela voluntariosa Isilda Pegado (toda a gente sabe quem é) e a sua Plataforma Cidadania e Casamento e apoiado por gente acima de qualquer suspeita, como é o caso, por exemplo, da Igreja Católica e do PNR. Deixo aqui o link para a página do Facebook e o texto que apresenta a acção:

No dia 20 decorrerá uma manifestação contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Vamos estar em frente ao São Jorge, a partir das 15h, a estragar esta procissão da "família" e do patriarcado que desce a Avenida para roubar aquela liberdade recentemente conquistada.

Somos toda a gente: pais, mães, do Estrela da Amadora, maridos, amantes, fufas, heteros, avôs e tudo o resto. Por isso estaremos lá contra a discriminação e a homofobia, mas sobretudo pela Liberdade e pela Igualdade.

Juntas-te?

*Entretanto um leitor do blogue chama a atenção para uma carta de Vasco Lourenço (ver comentários), da Associação 25 de Abril, demarcando esta organização do tal grupo. Fica o esclarecimento.

por Sérgio Lavos
link do post | comentar | ver comentários (31) | partilhar

Segunda-feira, 22 de Setembro de 2008
por Pedro Vieira
este mês abre a primeira escola para sobredotados em portimão.
tags: ,

por Pedro Vieira
link do post | comentar | ver comentários (10) | partilhar

Segunda-feira, 14 de Abril de 2008
por Daniel Oliveira
No Vaticano pode-se ser muito conservador, mas não se é parvo. Perante a crise de vocações, há que dar algum charme ao ofício. O calendário oficial para 2008 da Santa Madre Igreja são 12 padres e seminaristas todos estilosos. Ninguém escapa aos enganos da carne.

23021-index.jpg






tags:

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | partilhar

Domingo, 30 de Março de 2008
por Daniel Oliveira


«O projecto do PS de fazer desaparecer o divórcio litigioso da lei portuguesa "é um grande erro que o país vai pagar caro no futuro", criticou o porta-voz da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), D. Carlos Azevedo, para quem este projecto - ­que será debatido no plenário a 16 de Abril - é mais um sinal claro da postura de afrontamento que o actual Governo assumiu relativamente à Igreja Católica.»

Uma coisa extraordinária: a Igreja acha que fazer desaparecer o divórcio litigioso (que ela própria não permite aos católicos - nem esse, nem qualquer outro) da lei que rege o casamento civil é afrontá-la. A Igreja acha que tem um qualquer direito de propriedade sobre o casamento civil. O casamento de todos: católicos, protestantes, hindus, muçulmanos, agnósticos ou ateus. Para a Igreja, quando o poder político tem sobre qualquer tema uma posição diferente estará a afrontá-la.

A Igreja é contra o divórcio e gostava de dificultá-lo? Que o faça com os seus fiéis. É livre (e deve se-lo) de ter as posições que entender sobre cada assunto e tratar de usar instrumentos religiosos e a lei canónica para pressionar quem, por decisão própria, lhe resolve obedecer. Não é livre de querer que o Estado sirva para controlar os seus católicos e, por arrasto, os que não o são.

Independentemente das diferenças religiosas, cabe às democracias (ocidentais, mas não só) garantir a laicidade do Estado. Quer isto dizer que a religião trata de dizer o que devem ou não devem fazer aos seus fiéis (e eles obedecem se assim o entenderem), mas não decide como se devem comportar os restantes nem usa o Estado como instrumento de pressão das suas regras aos seus fiéis. Não sendo religioso, não dou a nenhuma igreja o direito de utilizar o Estado para me obrigar a ser o que não sou. E um Estado que sabe que não tem esse direito não afronta a Igreja. Limita-se a respeitar os direitos de todos.

Ou provavelmente até afronta. Mas foi com esse afrontamento a todas as Igrejas quem em todos os tempos de julgaram donas do poder secular que conquistámos a nossa liberdade. E será também afrontando todas as igrejas que outos países e culturas a conquistarão. E geralmente são os próprios fiéis que acabam por querer esta separação clara: Estado para um lado, Igreja para outro. A bem do Estado e da Igreja.
tags:

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (54) | partilhar

Sábado, 16 de Fevereiro de 2008
por Daniel Oliveira



Um político não diz a um jornalista o que lhe vai na alma, nem lhe conta da sua táctica política. E táctica existe sempre. Mas quando explícita deixa de ser apenas táctica e passa a ser programa político. É por isso natural que o PP tenha tentado fazer deste episódio um caso político. Mas vale o que vale. Políticos que não dramatizam e não desdramatizam não são políticos. E para quem tem no seu passado uma mentira sobre a autoria de um atentado terrorista, para sobre os corpos dos mortos garantir uma vitória eleitoral, talvez alguma decoro não ficasse mal. Isso sim, foi grave e pouco natural para uma democracia consolidada.

Outro elemento interessante desta campanha em Espanha é o envolvimento directo da Igreja Católica em favor do Partido Popular. Parece-me óptimo. Assim a Igreja pode passar a ser trata como um agente político e social como qualquer outro, que não merece nenhum tratamento especial por parte do Estado. Ficam as coisas mais claras para quem ainda não as tivesse enxergado. Concordo, por isso, com o que Pedro Marques Lopes escreveu há uns tempos: é porque a Igreja trata dos seus interesses que os interesses da Igreja não são nem podem ser os do Estado e entre os dois não pode haver nenhuma confusão. O Estado é de nós todos, a Igreja é dos seus seguidores. Sejam eles uma larga maioria ou uma pequena minoria.

Um não-católico, ao defender a neutralidade de Igreja, está a dar à Igreja um estatuto especial que ela não tem nem deve ter. Se alguém se pode zangar com os bispos em campanha são os membros da sua Igreja. Eles que tratem disso. Por mim, a ICAR fará o que entender. Com uma certeza: sempre que quiser (como quer tantas vezes) meter o bedelho na minha vida e subjugar-me, através do Estado, aos seus ditames morais terá a resposta que merece: que vá pregar para o seu rebanho.
tags: ,

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (17) | partilhar

Quarta-feira, 30 de Janeiro de 2008
por Daniel Oliveira
Um padre católico continuou a rezar a missa na igreja Madonna Bianca, em Trento, em Itália, mesmo depois de perceber que um dos fiéis havia morrido durante a cerimónia. Em entrevista à agência italiana de notícias, Ansa, o padre Mario Peron disse que levar a missa até o fim teria sido o desejo do fiel Pio Lieta, que sofreu um ataque cardíaco fatal enquanto assistia à missa na manhã de domingo. Ao perceber que o fiel estava morto, Peron interrompeu a missa por alguns minutos e uma ambulância foi chamada no local. O padre pediu então que cobrissem o corpo do fiel, estendido no chão da igreja, e continuou a rezar a missa. "O que eu poderia ter feito? A Missa Sagrada tem que ser celebrada, não podemos abrir excepção para um indivíduo", disse Peron ao jornal britânico Daily Telegraph.
tags:

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (33) | partilhar

Sexta-feira, 18 de Janeiro de 2008
por Daniel Oliveira
«A Mesquita Central de Oxford, muito conspícua, com minarete e cúpula, reclamou agora o direito de fazer apelo à oração, com o ruído que a ortodoxia recomenda. (...) Já em Roma, um grupo de professores não permitiu que o Papa Ratzinger - um académico, um filósofo e um teólogo - fosse à Universidade de Roma, "La Sapienza", em nome da laicidade da investigação e do que ele pensa (se pensa) sobre a condenação de Galileu. (...) A liberdade invocada para autorizar um muezzin em Oxford é a mesma liberdade invocada para não permitir que o Papa fale na Universidade em Roma.»
Vasco Pulido Valente

Para Vasco Pulido Valente a rua e a Universidade são a mesma coisa. Assim, para haver equilíbrio, ou as universidades deveriam deixar de ter a liberdade para convidar ou não convidar quem entendessem (na verdade, ao contrário do que diz Pulido Valente, Ratzinger foi convidado e perante protestos decidiu, em liberdade, não aceitar o convite) ou o Estado pode decidir que religiões podem e não podem fazer ruido na rua, onde ninguém está presente a convite e onde ninguém pode proibir (felizmente) os sinos (suponho que estes não sejam ortodoxos) de tocar a rebate. Só com comparações absurdas (e alteração dos factos) se pode sugerir o absurdo: que graças ao multiculturalismo a Igreja católica vive quase na clandestinidade em Itália e que o Islão já está a tomar conta do Reino Unido. Não querem ver que até têm mesquitas? E até fazem barulho. Fanáticos!

Os dois exemplos são óptimos exemplos de liberdade: os muçulmanos são livres de, como os cristãos, manifestar a sua religiosidade. Os não-muçulmanos são livres de não gostar, mas não o podem proibir. Perante os protestos, os muçulmanos seriam livres de desistir desta sua vontade. Ou de não desistir. Os católicos (ou não-católicos) são livres de convidar o Papa para falar numa Universidade. Os não-católicos são livres de não gostar, mas não o podem proibir. Perante os protestos, o Papa é livre de recusar o convite. Ou de não o recusar.

Em Alepo, em Damasco e em Istambul ouvi os sinos de igrejas cristãs. Os sirios e os turcos normais não pareciam ficar incomodados nem considerar que aquilo era «ruído que a ortodoxia recomenda».

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (62) | partilhar

Sábado, 22 de Dezembro de 2007
por Daniel Oliveira
Tony Blair converteu-se ao catolicismo.
tags: ,

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (6) | partilhar

Quinta-feira, 20 de Dezembro de 2007
por Daniel Oliveira
Perante a crise de vocações, há que dar algum charme ao ofício. Num calendário para 2008 são exibidos 12 padres, seminaristas e acólitos todos estilosos. Ninguém escapa aos enganos da carne. E sabendo do celibato e da castidade dos ditos, o calendário é de uma saudável perversidade. Esta a Igreja que eu gosto. Venham também as freiras.

23021-index.jpg



Aqui fica o site oficial da coisa.

tags:

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (28) | partilhar

Sexta-feira, 7 de Dezembro de 2007
por Daniel Oliveira
Ao que parece, a não celebração do funeral de uma comunista não foi responsabilidade do padre. Este escreveu uma carta de resposta ao 24 horas. Fica reposta a verdade. E os agradecimentos ao Miguel Marujo que aqui a trouxe.
tags: ,

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (10) | partilhar

Quarta-feira, 5 de Dezembro de 2007
por Daniel Oliveira



Segundo o "24 horas" um padre em Silves recusou fazer um funeral a uma militante comunista católica, que levava sobre a urna a bandeira do PCP. (via Canhotices)

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (40) | partilhar

Segunda-feira, 29 de Outubro de 2007
por Daniel Oliveira


Na semana em que a lei da Memória Histórica é votada em Espanha, o Vaticano beatificou 498 "mártires" católicos da guerra civil. Isto, enquanto mantém todos os sinais da sua cumplicidade e simpatia pela ditadura franquista. Para o Vaticano nem todas as vidas têm o mesmo valor. Nas cerimónias não houve uma palavra sobre as vitimas da ditadura que a Igreja apoiou activamente nem de arrependimento pelos crimes de que foram cúmplices. Não lhes chega o esquecimento? Precisam mesmo de exibir a sua falta de vergonha?



por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (53) | partilhar

Sexta-feira, 26 de Outubro de 2007
por Daniel Oliveira
O Governo quer cortar no subsídio que o Orçamento de Estado destina à Universidade Católica Portuguesa (UCP), intenção que mereceu críticas prontas do Arcebispo de Braga, D.Jorge Ortiga, que apelou, ontem, à reconsideração desta medida.

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (5) | partilhar

Quarta-feira, 24 de Outubro de 2007
por Daniel Oliveira
As cinco escolas privadas que alcançaram a média mais alta na primeira fase dos exames nacionais do ensino secundário são todas católicas, três delas ligadas à Opus Dei. O colégio Mira Rio, em Lisboa, que este ano ocupa a primeira posição na lista de escolas com melhor média é frequentado apenas por raparigas, cada uma acompanhada individualmente por uma preceptora, sendo a disciplina de Religião e Moral obrigatória desde o pré-escolar até ao 12º ano. Em declarações à Lusa, Clara Ledo, directora do colégio, não tem dúvidas em afirmar que o programa de ensino e as actividades extracurriculares são tão importantes como "a formação espiritual e religiosa das alunas".

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (49) | partilhar

Sábado, 13 de Outubro de 2007
por Daniel Oliveira
Na sua opinião, uma mulher que é agredida pelo marido deve manter o casamento ou divorciar-se?
Depende do grau da agressão.
O que é isso do grau da agressão?
Há o indivíduo que bate na mulher todas as semanas e há o indivíduo que dá um soco na mulher de três em três anos.
Então reformulo a questão: agressões pontuais justificam um divórcio?
Eu, pelo menos, se estivesse na parte da mulher que tivesse um marido que a amava verdadeiramente no resto do tempo, achava que não.

Reitor do Santuário de Fátima, Luciano Guerra, entrevista ao DN
tags:

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (30) | partilhar

Quinta-feira, 11 de Outubro de 2007
por Daniel Oliveira
É ver a Igreja a tentar dar legitimidade científica a um milagre.
tags:

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

por Daniel Oliveira
É preciso uma nova cura milagrosa no processo de canonização dos videntes de Fátima, já que os médicos do Vaticano não ficaram satisfeitos com o alegado milagre que até agora sustentou o processo.

E também deixei de ter uma unha encravada. No que eu puder ajudar...
tags:

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (3) | partilhar

Quarta-feira, 10 de Outubro de 2007
por Daniel Oliveira
Os presidentes da República, Cavaco Silva, e do Parlamento, Jaime Gama, e o ministro da Presidência, Pedro Silva Pereira, deverão estar esta sexta-feira na cerimónia de dedicação da nova Igreja da Santíssima Trindade, em Fátima.


tags:

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (18) | partilhar

Sábado, 6 de Outubro de 2007
por Daniel Oliveira
O governo fecha urgências e maternidades. A população protesta. Mas o governo é firme e não cede. O governo decide que não entra nem mais um novo capelão nos quadros da função pública. A Igreja pestaneja e o governo treme e já dá sinais de ceder.
tags:

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (7) | partilhar

Quarta-feira, 3 de Outubro de 2007
por Daniel Oliveira
O Vaticano está a estudar a possibilidade de fechar um convento de clausura na província italiana de Bari, depois de as únicas três freiras residentes, incluindo a madre superiora, se terem agredido violentamente. (Via Diário Ateísta).
tags:

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (20) | partilhar

Terça-feira, 25 de Setembro de 2007
por Daniel Oliveira
Os custos da nova Igreja da Santíssima Trindade, em Fátima, já contabilizados os acessos, deverão ascender a 80 milhões de euros, o dobro do inicialmente estimado.
tags:

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (12) | partilhar

Domingo, 9 de Setembro de 2007
por Daniel Oliveira
O Papa Bento XVI lamentou a falta de crianças na Europa e culpou o egoísmo e a falta de confiança no futuro de seus habitantes, no segundo dia de sua visita à Áustria.
tags:

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (12) | partilhar

Sexta-feira, 31 de Agosto de 2007
por Daniel Oliveira
Na primeira viagem da companhia "low cost" do Vaticano entre Roma e Lourdes a água benta dos peregrinos foi confiscada por razões de segurança.

Lembrando António Aleixo:
Para-raios nas igrejas
É para mostrar aos ateus
Que os crentes - por mais que o sejam -
Não têm confiança em Deus


Pensar que a água mente pode ser a arma do crime? Sacrilégio!
tags:

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (23) | partilhar

Quarta-feira, 29 de Agosto de 2007
por Daniel Oliveira



Fátima prepara-se para receber voos religiosos.

tags:

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (27) | partilhar


pesquisa
 
TV Arrastão
Inquérito
Outras leituras
Outras leituras
Subscrever


RSSPosts via RSS Sapo

RSSPosts via feedburner (temp/ indisponível)

RSSComentários

arquivos
2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


Contador